sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

O BLOG DESEJA...

A TODOS DIAS MAIS FELIZES, COM MENOS ERROS E MAIS ACERTOS EM 2011.

"Para sonhar um ano novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre." (Carlos Drummond de Andrade)

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Entrando no ano novo


Não falarei do começo de ano amargo dos que dizem que para eles essas datas não existem: espalham o negativismo de suas decepções com a raça humana, que na verdade não é tão grande coisa assim, portanto não se deveria esperar que o fosse.
Talvez eu fale de um começo de ano mais simples, porque não foi antecedido por um daqueles Natais de religiosidade fingida, amor com hora marcada, presentes supérfluos ou adquiridos com sacrifício; talvez eu fale de confraternização, abraço amigo sincero, acolhimento da família – amada apesar de diferenças, sabendo que ali a gente é aceito mesmo quando não é entendido, mais que isso: é respeitado e querido.

Falo de uma tentativa real de recomeçar até onde é possível: com um olhar um pouco diferente para pessoas a quem a gente admira ou estima e normalmente não tem tempo de abordar (que pena, que desperdício). Gente que nos interessa pelo simples carinho, independentemente de status, grana, importância e possível utilidade.

Falo de uma entrada em um novo ano abrindo as portas e janelas da casa e da alma. Sem frescura, sem afetação, sem mau humor, sem pressão nem formalidade. Pensando que a gente poderia ser mais irmão e mais amigo, mais filho e mais pai ou mãe, mais humano, mais simples, mais desejoso de ser e fazer feliz, seja lá o que isso signifique para cada um de nós.



Não com planos mirabolantes que não se podem cumprir, mas inventando novos modos de querer bem, sobretudo a si mesmo, pois sem isso não tem jeito de gostar dos outros de verdade.
O bom é entrar num novo ano sem nostalgia melancólica, sem suspiros patéticos e sem lamentações inoportunas, sem torrar a paciência dos que, ao redor, estão querendo começar o novo ano num clima positivo.

Não falarei, nunca, de festas de passagem de ano tendo de encher a cara para agüentar o próprio deserto interior e a frivolidade de toda uma vida ou para enfrentar a loucura generalizada, o desamor dos parentes chatos, dos filhos idem, da mulher ou marido irônicos, da sogra carrancuda, do amigo interesseiro ou o prenúncio das contas que se acumularão porque a gente gastou o que não podia com coisas que não devia.

Algumas pessoas saem da manada e se propõem a cada ano uma vida possível, mais amena e humana apesar de tudo. Na qual, independentemente de crença, ideologia e vivências, aqui e ali se consegue refletir e reavaliar algumas coisas. Com um pouco mais de aproximação, de reflexão, de algum otimismo, a gente sendo menos arrogante, menos fria, menos desinteressante, mais... gente.

E, já que é um novo ano, vai aí um presente meu, simplesinho, que os tempos estão difíceis:
Deus, eu faço parte do teu gado: esse que confinas em sonho e paixão, e às vezes em terrível liberdade. Sou, como todos, marcada neste flanco pelo susto da beleza, pelo terror da perda e pela funda chaga dessa arte em que pretendo segurar o mundo.
No fundo, Deus, eu faço parte da manada que corre para o impossível, vasto povo desencontrado a quem tanges, ignoras ou contornas com teu olhar absorto.
Deus, eu faço parte do teu gado estranhamente humano, marcado para correr amar morrer querendo colo, explicação, perdão e permanência.

LYA LUFT

Do blog: Em 2010, poderia ter realizado tudo de um jeito melhor, mas tentei... da maneira mais bonita que sei. Que venha 2011, pois não me falta coragem, fé, esperança e vontade de aprender mais...de ver mais, viver mais...na terra dos carnaubais
ANDAR COM FÉ EU VOU...QUE A FÉ NÃO ME ENSINA A FALHAR...

As mortes poderiam ser evitadas


"Estamos tão pressionados pela vida, a política,
as circunstâncias, as dificuldades, os medos e
sustos, que por qualquer coisa explodimos.
Penso que somos uma geração doente da alma"


Abrimos o ano novo com a habitual lista de tragédias que poderiam ser evitadas. Talvez a gente não perceba o valor da própria vida. Talvez a gente só consiga viver porque não tem consciência disso. Parece que só diante da morte nos damos conta de que, apesar dos altos e baixos, viver é maravilhoso, viver bem é possível. Na corrida do cotidiano, não paramos para pensar: "O que estou fazendo da minha vida? Como estou tratando as pessoas que amo? De que jeito estou cuidando delas, de mim, deste mundo em que vivemos?". Isso me ocorre especialmente lendo as primeiras notícias dos primeiros horrores: mortes nas estradas e cidades, fome e miséria para milhões de pessoas inocentes pelo mundo e, de novo, a guerra. Ou sempre as guerras, pois o homem gosta de brincar de bandido e mocinho, trocando as armas de brinquedo por tremendas armas de verdade. Nelas incluo carro, ônibus, barcos e outros.

Pelas estradas e ruas – para começar com o doméstico e cotidiano – não é preciso esperar muito para presenciar as maiores aberrações, desde pedestres praticamente se jogando diante de carros e caminhões até motoristas que parecem alucinados. Não sei se é possível, mas valeria a pena, quem sabe, tentar contar o número de mortes burras e evitáveis no trânsito, que ocorrem por imprudência, loucura, arrogância, despreparo, futilidade. Mortes fúteis, que mesmo sendo fúteis são tragédias. E não falo só dos assassinatos praticados pelos motoristas alcoolizados, falo também dos infantiloides e idiotas, que mesmo assim têm nas mãos as poderosas armas que são o carro, o ônibus, o caminhão.

Dirijo frequentemente em estradas, e diariamente em ruas. Boa parte dos motoristas não poderia ter carteira, não deveria dirigir. Não antes de conhecer as regras e aprender a respeitá-las, não antes de amadurecer, ter consciência e ser uma pessoa confiável. Com um veículo seguro. O que se vê nas ruas e estradas é um espetáculo incompreensível de imprudência e loucura. Ultrapassagens incríveis, muitas vezes feitas por um pai de família com o carro cheio de crianças. Impaciência doentia, uma raiva generalizada dando a impressão de que se quer matar, atropelar, fazer sofrer o primeiro que aparecer pela frente. O verniz de civilidade que nos cobre é cada vez mais tênue.

Talvez seja mais um sinal dos tempos: estamos tão pressionados pela vida, a política, as circunstâncias, as dificuldades, os medos e sustos, que por qualquer coisa explodimos. Penso que somos uma geração doente da alma. Ultrapreocupados, supermedicados, incapazes de relaxar e curtir a vida, de parar para pensar ("Parar pra pensar? Nem pensar! Se paro para pensar, eu desmorono!", a gente ouve com frequência). Estamos hipnotizados por questões de saúde, sentamos à mesa só pensando em triglicérides e calorias, deitamos pensando no Viagra, acordamos apressados porque é preciso correr, caminhar, ir à academia – tudo coisas ótimas, desde que não sejam obsessão. Porém, na conduta diária, em nossas particulares vidinhas, supertensionados, nos portamos como adolescentes insensatos.

E agora, mais uma vez, a guerra. Sempre há guerrinhas neste vasto mundo estranho. Não quero nem sei discutir razões e justificativas nem desta nem de outra guerra qualquer. Mas é nas guerras – como nos campos de refugiados na África e também por aqui, onde se morre de fome, sujeira e falta de condições mínimas – que nos damos conta do pouco valor da vida para uma humanidade que se bota fora a todo momento. No cotidiano em casa, na rua, na estrada, no campo de batalha, no corpo dos inocentes atônitos em casas arrasadas ou veículos destroçados, hospitais sem estrutura ou apenas com condições sub-humanas, a gente se porta como se a sobrevivência fosse garantida, e tivéssemos dos deuses o aval para cometer todas as imprudências assassinas e mortais futilidades que se possam inventar. Bom Ano Novo, para os que conseguirmos sobreviver.

Lya Luft é escritora

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

ADEUS À DAMA DA EDUCAÇÃO

Morre, aos 90 anos, a diretora da Escola Doméstica, Noilde Ramalho. Ela sentiu-se mal durante um cruzeiro

Desde as primeiras horas de hoje, o corpo da professora Noilde Pessoa Ramalho, 90 anos, está sendo velado na Catedral Metropolitana, em Cidade Alta, centro de Natal. Diretora da Escola Doméstica há 65 anos, ela faleceu na noite do último sábado, na cidade de São Francisco do Sul (SC) após ter duas paradas cardíacas causadas por complicações de um edema pulmonar que contraiu durante um cruzeiro marítimo que fazia com amigos. Uma missa de corpo presente será realizada na catedral, às 15h de hoje e, às 17h, ocorrerá o sepultamento, no cemitério Morada da Paz, em Emaús, Parnamirim, região metropolitana de Natal.

Foto: Flavia Freire/DN/D.A Press

A professora, que nasceu em Nova Cruz, comandou a ED durante 65 anos
A assessora de comunicação da Liga de Ensino do Rio Grande do Norte (à qual pertence a Escola Doméstica), Graciema Carneiro, conta que Noilde Ramalho viajou para São Paulo no último dia 17, juntamente com seis amigos. No mesmo dia, ela embarcou em um cruzeiro, na cidade de Santos, com destino a Punta del Este, na Argentina. Durante a viagem de volta, na sexta-feira, familiares em Natal foram informados que a professora contraíra uma gripe. "Ela tinha planejado desembarcar em São Paulo neste domingo (ontem) e depois seguiria para Gramado (RS), onde passariam o final de ano. Mas ligou para a família, pedindo para voltar para Natal assim que desembarcasse. Era para ela chegar aqui às 23h do domingo".

Durante o sábado, Noilde Ramalho passou mal e teve de ser levada ao hospital da cidade onde o cruzeiro aportara, São Francisco do Sul (SC). Ela foi acompanhada pelo amigo Alexandre Ramalho, presidente do Sindicato das Escolas Particulares do RN. Na unidade médica, ela recebeu o diagnóstico de endema pulmonar agudo. No início da noite, ela sofreu uma parada cardíaca, foi ressuscitada, mas teve uma nova parada. Não restistiu e faleceu por volta das 18h30.

Velório simples
Ainda segundo Graciema Carneiro, a diretora da ED deixou um manuscrito, que ficou guardado em um cofre pessoal, dando orientações de como gostaria que fosse o seu velório e sepultamento. "Ela pediu que o velório não fosse feito na escola, nem queria que houvesse cânticos ou discursos. Pediu para ter flores simples, assim como sua urna, sem muita pompa. Também não queria que o cortejo tivesse carro do Corpo de Bombeiros ou algo do tipo".
O corpo da professora Noilde Ramalho chegou à Natal ontem, por volta das 22h e foi encaminhado diretamente para a Catedral Metropolitana. O velório é aberto ao público e será concluído com uma missa solene. Em seguida, haverá um cortejo fúnebre até o cemitério Morada da Paz, em Emaús, onde acontecerá o sepultamento. O Comando da Polícia Militar confirmou o apoio de segurança durante o trajeto.

Paulo de Sousa // jpaulosousa.rn@dabr.com.br
DIÁRIO DE NATAL

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010


Arvore de Natal - Recados Para Orkut


Caminhos...


Você pode queixar-se do vento ou mudar as velas de lugar.
Você pode se trancar em casa ou dar de frente com o grande amor de sua vida na esquina da padaria.
Você pode viver frustrado ou libertar-se dos preconceitos e encontrar a felicidade.
Você pode chorar rios de lágrimas ou ir em frente e procurar soluções.
Você pode esconder-se em baixo da cama ou ir à luta e conquistar o mundo.
Você pode morrer sem ter feito grandes feitos ou deixar o melhor de si pra seus sucessores.
Você pode brigar com seu visual ou fazer as pazes de vez com seu espelho.
Você pode odiar seu trabalho ou fazer dele um dos seus maiores prazeres.
Você pode correr sem rumo ou sentar e esperar a chuva passar.
Você pode viver num mundo em preto e branco ou pintar seu próprio arco-íris.
Você pode sentir-se sozinho ou ligar para aquele velho amigo dos tempos de escola.
Você pode berrar em alto e bom som ou sair cantarolando sua música preferida.
Você pode se fechar em seu mundo ou abrir seu coração pra ele.
Você pode arrepender-se do que fez durante o ano ou começar um novo dia com entusiasmo e coragem.
Você pode esconder seus problemas ou tirar deles um aprendizado pra vida toda.
Você pode questionar tudo ou tirar a prova dos nove de uma continha de multiplicação.
Você pode escolher um caminho ou ficar parado no meio da estrada.

Caminhos existem e sempre vão existir.
Cada um leva-nos a lugares diferentes.
Eles podem nos conduzir a um jardim claro e alegre ou a um pântano escuro e frio.
Caminhos são só caminhos, é preciso atravessá-los...

Quando o Natal acontece...


É natal quando duas mãos se tocam sinceramente.
É natal quando respeitamos os limites do outro.
É natal quando agradecemos por nossa existência.
É natal quando deitamos a cabeça no travesseiro e dormimos em paz.
É natal quando acreditamos que podemos vencer.
É natal quando abraçamos nossos pais, pedimos a bênção a nossos avós.
É natal quando uma criança sorri pela primeira vez.
É natal quando soltamos pipa e pulamos amarelinha no quintal.
É natal quando perdoamos e pedimos desculpas.
É natal quando fazemos o bem, seja a quem for.
É natal quando nos colocamos no lugar do outro.
É natal quando os preconceitos são derrubados.
É natal quando enfrentamos nossos medos.
É natal quando levantamos da queda.
É natal quando caminhamos na praia, mesmo que de sapato.
É natal quando amamos e somos amados verdadeiramente.
É natal quando celebramos a vida, seja com um bolo ou com uma gargalhada descompromissada.
O natal acontece em nós, e não para nós.

por Rômulo Gomes

domingo, 19 de dezembro de 2010

"Se tem luar no céu retira o véu e faz chover"


TARDE CHUVOSA

Chuva forte polvilhando a Terra
E esperança para o trabalhador
Atrás de si o sol radiante encerra
Campos verdejantes, cheios de flor

Acordem todos à chuva cai
E convida à produtividade.
A chuva esbanja enquanto o tempo vai
E gagueja uma ode de amor.

A terra abraça a água e a alma se embriaga
E não entende qual torrente o traga
Se a friagem ou sua própria dor...

Josélia Coringa

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

CLIC AQUI! - Abaixo-assinado contra o aumento nos salários do presidente da República, ministros e parlamentares.

Nós subscrevemos o abaixo-assinado contra o aumento nos salários do presidente da República, ministros e parlamentares. Dezembro/2010, Para Presidente da República Federativa do Brasil; Congresso Nacional do Brasil; Supremo Tribunal Federal; Câmara dos Deputados; Senado Federal

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

PIANISTA CATARINENSE GRAVA MÚSICA DE CARNAUBAENSE

Caio Muniz é produtor musical, pianista, compositor e arranjador. Como produtor musical inicialmente fez alguns trabalhos de trilha sonora para a produtora de áudio
A VOZ DO BRASIL e hoje tem atuado efetivamente no mercado de trilhas e jingles em Santa Catarina. Também produziu e participou de Cds de diversos artistas no Brasil e fora dele. Como músico já acompanhou artistas como Marisa Orth, Art Popular, Patricia Coelho, Luiz Meira, Elza Soares, Guinha Ramirez e tantos outros mais.
Também se apresenta freqüentemente em festivais
de Jazz como o Festival de Jazz de Joinvile em SC
e em apresentações no Japão e Europa. Acaba de tirar do forno o seu primeiro CD interpretando musicas de sua autoria e de alguns parceiros, dentre eles o potiguar da cidade de Carnaubais, Zelito Coringa.

BABY EU TE AMO - 60 ANOS DA DIFUSORA DE MOSSORÓ

O Grupo de Teatro O Pessoal do Tarará estréia seu novo espetáculo “Baby, eu te amo!” na próxima sexta-feira, 17, e continua apresentando no sábado e domingo, sempre às 20h, no Teatro Padre Alfredo Simonetti, no Alto de São Manoel. A montagem homenageia os 60 anos da Rádio Difusora de Mossoró, completados no último dia 7 de setembro. Unindo teatro, música e dança, O Pessoal do Tarará retrata a história de seis décadas noticiadas pela Rádio Difusora. As senhas para o espetáculo são vendidas na bilheteria do próprio teatro (inteira R$ 6,00; e meia – R$ 3,00). Os preços populares acontecem graças ao patrocínio da Cosern, Ponto de Cultura Baixinha Berço das Artes, e apoio da Offset Gráfica.

“Queríamos encontrar uma forma de contar esta história, e então optamos por fazer um espetáculo que fosse histórico, também, do ponto de vista das transformações sociais que foram vivenciadas nos planos local, nacional e internacional. Então o espetáculo faz um passeio pelas últimas seis décadas, e o público poderá conferir como foi a transformação da música, da tecnologia, e dos próprios meios de comunicação, ao longo destes anos”, explica a atriz Ludmila Albuquerque.
No espetáculo, costurando as décadas vivenciadas, uma rádio-novela resgata o aspecto romântico do rádio. “É um retorno ao início do grupo, onde tínhamos um programa de rádio, e fazíamos rádio-novelas. O rádio é algo que sempre nos acompanha. Um de nossos integrantes é radialista, e tudo isso vem somar para que estejamos empolgados com esta nova possibilidade de espetáculo”, afirma a atriz Rosi Reis.
“Baby, eu te amo!” é uma história que homenageia não só a Rádio Difusora, mas como o próprio rádio. O espetáculo, que tem direção de Dionízio do Apodi, teve idéia inicial de Emerson Linhares, um dos diretores da Rádio Difusora de Mossoró, e vem sendo trabalhado com o próprio grupo. A parte de coreografia está à cargo de Roberta Schumara, diretora do Grupo Diocecena do Colégio Diocesano Santa Luzia, e a música por Zelito Coringa, parceiro antigo do grupo.
“Sempre gostamos de estabelecer parcerias, de firmar novos envolvimentos com pessoas que nos agradam. E neste espetáculo temos pessoas de muita qualidade juntas, como Roberta Schumara, Ronaldo Costa, Janielson, Marcos Leonardo, Flávia Mayara, Zelito Coringa. Então todos estes parceiros ajudam a fortalecer a qualidade que a gente busca em nossa arte. Espero que o público goste, mas como sempre fazemos, partimos do simples, do ponto de vista de que o ator é o mais importante”, destaca o diretor do espetáculo Dionízio do Apodi.

FICHA TÉCNICA: Baby, eu te amo!
Uma história de amor através da Rádio Difusora
Idéia Original: Emerson Linhares
Direção: Dionízio do Apodi
Colaboração: Rodrigo Silbat
Coreografia: Roberta Schumara
Direção Musical: Zelito Coringa
Preparação Vocal: Flávia Mayara
Figurinos: Marcos Leonardo
Desenho de Luz: Janielson Silva e Ronaldo Costa
Operação de Luz: Janielson Silva
Engenheiro de Som: Eduardo Pinheiro
Arte Gráfica: Paulo Igor Albuquerque

Elenco: Alana Azevedo, Alex Peteka, Antônio Marcos, Bárbara Filgueira, Carla Nayanne, Deyse Negreiros, Jonathan Lopo, Ludmila Albuquerque, Madson Ney, Maxson Ariton, Renata Soraya, Rosi Reis, Zelito Coringa

SERVIÇO:
Espetáculo “Baby, eu te amo!”
Sexta (17), sábado (18) e domingo (19), às 20h
Teatro Padre Alfredo Simonetti (Alto de São Manoel)
Senhas: Inteira - R$ 6,00; e meia – R$ 3,00
Informações: 3314-9078; 8726-4009

domingo, 12 de dezembro de 2010

“Se maomé não vai à montanha, a montanha vai à Maomé”


"Só conheci dois homens livres em sua totalidade. Um, foi meu pai; o outro, sou eu”.
Antônio Francisco

Apesar de antiga, a máxima continua atual, especialmente quando o assunto é cultura popular. No último dia 06 de dezembro a UFRN - Campus de Currais Novos, iniciou a I Semana de trovadores do Seridó. O evento contou com a participação de diversos artistas envolvidos no processo de incentivo às manifestações culturais.

Dentre esses, o poeta mossoroense, Antônio Francisco esteve participando do evento e com todo o brilhantismo, comum a ele, fez sua performance poética durar aproximadamente 3 horas com curtíssimas interrupções. O poeta fez uma viagem bibliográfica apresentando seus livros e contando sua trajetória ao longo dos anos em que esteve (e está) envolvido com literatura.

O menestrel ainda narrou fatos de sua vida pessoal onde, com bastante liberdade, fez referências à terra natal.

“Ver Antonio Francisco declamar é uma oportunidade única. Um mesmo poema pode ser declamado por ele, sem a menor chance de não ser absolutamente especial”, disse a poetisa Maria Maria.

Durante a apresentação o poeta declamou poemas como Três martelos de amizade, Meu sonho, A casa que a fome mora, Os sete contos de Maria e um poema inédito cujo título não foi divulgado. Também falou da sua participação em um projeto literário desenvolvido pela ONU (Organização das Nações Unidas), o que nos deixa muito orgulhosos por ser ele um norte-riograndense.

Para homenageá-lo o grupo Netota Cordel do Pau Quebrado e o poeta cordelista Henrique José declamaram outros poemas do autor, deixando-o sensibilizado com a desenvoltura linguística dos artistas.

A apresentação do poeta mossoroense encerrou com um momento de vendas de livros e autógrafos.

A programação esteve aberta aos estudantes de Letras e toda a comunidade. Maomé veio à montanha.

FONTE: www.cnagitos.com

Relação de obras literárias para vestibular da UERN 2011:

Alienista - Machado de Assis
50 Crônicas Escolhidas - Rubem Braga
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
Vidas Secas - Graciliano Ramos
Estórias Gerais - Jaime Hipólito Dantas



Com a chegada da seca no sertão, Fabiano e sua esposa Sinhá Vitória, os dois filhos, o papagaio e a cachorra Baleia foram forçados a mudar. Caminharam por uma longa jornada na terrível seca. Antes que morressem de fome comeram o papagaio, seguindo a viagem o menino mais velho desmaiou, seguiram carregando o pequeno, foi assim que encontraram uma fazenda abandonada onde se instalaram.

A seca acabou e Fabiano se acertou com o dono da fazenda. Era o vaqueiro daquela terra, logo houve uma ressurreição em todos e tudo. Os meninos, a cadela, Sinhá Vitória e o próprio Fabiano engordaram, na fazenda criaram porcos e bois.

Em um dia Fabiano foi até a cidade comprar o que faltava em casa, antes de ir embora resolveu tomar um copo de cachaça, se sentia por todos enganado acreditando que sempre lhe cobravam mais do que era certo, assim como o patrão que sempre lhe pagava menos com a história dos juros. Foi ai que um soldado amarelo apareceu e o chamou para um jogo de cartas, como o homem era autoridade aceitou, mas logo após a primeira rodada foi embora. O soldado lhe seguiu o pertubando até que Fabiano enraivecido xingou a mãe dele. Com isso foi para cadeia. A ignorância que a pobreza lhe causara não permitiu que ele se explicasse e assim ganhou uma surra e uma noite na prisão.

Mesmo assim a vida melhorara, Sinhá Vitória acreditava que para a felicidade ser praticamente completa bastava uma cama de verdade diferente daquela que possuíam, feita de varas que os incomodavam durante o sono. Os meninos apenas se divertiam no barreiro junto com a cachorra Baleia. O mais novo em uma tentativa de imitar o pai tentou muntar um bode o que só lhe deu uma queda e humilhação por parte do irmão e de Baleia. E o menino mais novo buscando o significado de inferno apenas ficou chateado com a má vontade que lhe explicaram.

O inverno chegou e a família se acalentava frente à fogueira onde travavam pequenas conversas primárias. O natal também chegou e com isto toda a família vestida de roupas novas que só lhes incomodavam foi à missa, tanta gente os assustava e com a lembrança nunca esqueçida da injustiça aprontada pelo soldado amarelo, Fabiano bebeu e saiu a desafiar os homens. Acabou deitado na calçada tirando um cochilo, enquanto Sinhá Vitória fumava e os filhos brigavam com Baleia por ter desaparecido.

Depois desses tempos Baleia adoeceu. Feridas apareceram, o pêlo caiu e ela emagreçeu. Fabiano decidiu matá-la de forma rápida que lhe poupasse o sofrimento. Sinhá Vitória se trancou com os filhos e tampou-lhes os ouvidos. Fabiano com um tiro feriu o traseiro da cachorrinha que assustada se arrastou até os juazeiros onde sem compreender morreu.
Certo dia caminhando pela catinga Fabiano se encontrou com o soldado amarelo que nunca esquecera. Precipitou-se erguendo o facão, mas parou antes de ferir o homem. Viu como ele era um frouxo já que nem se agüentava de tanto tremer. Ficaram frente a frente até que o soldado viu que Fabiano recuara, perguntou-lhe o caminho, Fabiano respondeu tirando o chapéu.

As trapaças do patrão o pertubavam e as contas de Sinhá Vitória sempre mostravam que eles estavam sendo enganados, mas quando foi reclamar o patrão se encheu de fúria e disse que ele podia ir embora, Fabiano perdeu o emprego. Fabiano desculpou-se e foi embora. Nesse contexto a seca voltava.

O bebedouro secava, o rio também, vinham ainda dezenas de pássaros que bebiam o pouco de água que restava aos bichos que emagreciam. Fabiano matava-os, mas eram muitos. Os que ele matava salgavam e guardavam. A seca chegou. Fabiano sabia que era hora de partir, de fugir, mas adiava. Foi então que matou o único bezerro que lhes pertenciam e salgaram junto a carne dos pássaros, trancaram a fazenda e partiram. Sem avisar.

Fabiano se atormentava com as lembranças: o soldado amarelo, a cachorra Baleia, o cavalo que ficou pra morrer já que pertencia ao patrão e ele não podia levá-lo. Mas depois começaram a conversar e as léguas passaram sem nem verem, almoçaram e as esperanças de encontrar uma terra nova onde os filhos teriam futuros diferentes e eles um presente mais digno onde não precisariam fugir da seca, os levou embora.

Por Rebeca Cabral

LEIA!!!



A Revista Expressão - Trabalhos em Educação e Linguagem é uma publicação semestral da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN, aberta a colaboradores de todo o Brasil, e também do exterior, cujos textos tratem de fenômenos relacionados às ciências da educação e da linguagem, bem como discutam as teorias pertinentes a tais fenômenos, na perspectiva de cada uma dessas duas áreas separadamente ou na intersecção entre elas. Desse modo, o periódico aceita textos concernentes a esses dois campos temáticos, restando aos artigos provenientes de outras áreas serem avaliados somente quando estiverem, de alguma forma, dialogando com as áreas propostas pela revista. A revista recebe preferencialmente textos de autores que tenham o título de doutor. No entanto, também estende chamadas para publicação de textos a autores com o título de mestre e a alunos da pós-graduação strictu sensu: mestrandos e doutorandos.

Prof. Dr. Messias Dieb (Editor-chefe)

DEPARTAMENTO DE LETRAS DIVULGA PROGRAMAÇÃO DO I SIMLEVA

O Departamento de Letras (DL) do Campus Avançado Prefeito Walter Sá Leitão (CAWSL-UERN), em Açu, divulgou a programação doI Simpósio de Letras do Vale do Açu (SIMLEVA), evento que realizará no período de 15 a 17 de dezembro, em parceria com o Grupo de Pesquisa Práticas Discursivas, Linguagens e Ensino (PRADILE).
O SIMLEVA objetiva estabelecer o diálogo entre pesquisadores, docentes e discentes da UERN e de outras Instituições de Ensino na área de Letras e áreas afins. Além disso, tenciona ser um veículo para a reflexão e a troca de experiências, sobretudo, a divulgação e a promoção de pesquisas desenvolvidas por professores e estudantes de graduação e de pós-graduação.

sábado, 11 de dezembro de 2010

O PESSOAL DO TARARÁ NOS DEIXARÁ SAUDADES



PARABENIZO O GRUPO O PESSOAL DO TARARÁ, PELO TRABALHO QUE REALIZARAM EM NOSSA CIDADE. ONTEM APRESENTARAM NA COMUNIDADE DO JENIPAPEIRO. TIVE A OPORTUNIDADE DE VÊ ALGUNS ESPETÁCULOS, TODOS BEM PRODUZIDOS, BEM ENCENADOS, TEATRO DE QUALIDADE, FEITO COM MUITA PROPRIEDADE.

COMO EDUCADORA VEJO O QUANTO É IMPORTANTE A INSERÇÃO DA ARTE E DA CULTURA DENTRO DE NOSSAS ESCOLAS, VEJO TAMBÉM QUE ESSE TRABALHO NÃO PODE SER REALIZADO ESPORADICAMENTE, MAS COM FREQUENCIA, PORQUE EM TODOS OS MOMENTOS PRECISAMOS APRECIAR COM BONS OLHOS A ARTE.

A PEÇA, O INSPETOR GERAL, (GERALDO) ADAPTAÇÃO DE NICOLAU GOGOL CONTISTA, ROMANCISTA E TEATRÓLOGO RUSSO– POR COINCIDÊNCIA FOI UM TEXTO QUE TRABALHEI COM MEUS ALUNOS DO 8° ANO, ESTÁ NO LIVRO DE LEILA LAUAR SARMENTO DA 7ª SÉRIE DE LÍNGUA PORTUGUESA, PÁGINA 307. O TEXTO OBJETIVA REFLETIR SOBRE A CORUPÇÃO E NOS MOSTRA O VALOR DE SERMOS HONESTOS. OS PERSONAGENS DO TEXTO SÃO CARICATURAS DE CERTAS PESSOAS DA VIDA REAL.

ASSIM, É PRECISO QUE AS FAMÍLIAS, AS MÃES E PAIS ESTIMULEM OS FILHOS AO HÁBITO DA LEITURA, ESTIMULEM AS ESCOLHAS DE MELHORES PROGRAMAS NA TV,
OS JOGOS MENOS AGRESSIVOS, O TIPO DE MÚSICA, ACOMPANHEM TAMBÉM O USO DA INTERNET, ESTIMULEM A NÃO PERDEREM OPORTUNIDADES COMO ESSA QUE O GRUPO PROPORCIONOU ATRAVÉS DO TEATRO EM NOSSA CIDADE.

AS CRIANÇAS QUE TEM ACESSO A ARTE SE TORNAM PESSOAS COM MENTE MAIS ABERTA, COM VISÃO MAIS CRÍTICA E SEGURA DIANTE DA VIDA, PORQUE LEEM MAIS E APRENDEM A SE POSSICIONAR.

GOSTARÍAMOS QUE ESSE PROJETO VOLTASSE OUTRA VEZ, OUTRAS VEZES... SENTIREMOS SAUDADES DA ESTADA DELES EM NOSSA CIDADE.

JOSÉLIA CORINGA

DO BLOG.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

ROTA DAS ARTES NA RETA FINAL

Hoje a comunidade do Jenipapeiro recebe a última apresentação do Inspetor Geraldo, o espetáculo é uma adaptação de um clássico russo do dramaturgo Nicolai Gogol. O público carnaubaense teve a oportunidade de assisti-lo em vários locais da cidade, sempre de forma gratuita.
O Carnaubais na Rota das Artes vai chegando a reta final, O’pessoal do Tarará que se encontra em nossa cidade desde o dia 12 de Outubro retornará a Mossoró na manhã deste sábado. O grupo estará de volta no início de Janeiro para apresentar o resultado das oficinas, o documentário do projeto, palestra, publicação da revista, dentre outras atividades. Desde já agradecemos a todos que fazem esta iniciativa acontecer.
Feliz Natal para todos!

O Blog.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

HOJE TEM TEATRO DE GRAÇA

Hoje às 20:00 no Centro Cultural Santa Luzia será apresentado A Peleja do Amor no Coração de Severino. A peça já ganhou mais de 30 prêmios e recentemente foi apresentada na capital catarinense no 16° Floripa Teatro. Encontra disponível ao público carnaubaense através do Projeto CARNAUBAIS NA ROTA DAS ARTES com patrocínio do BNB/BNDS e apoio local da paróquia de Santa Luzia. Vale à pena conferir!




sábado, 27 de novembro de 2010

UM ACIDENTE AUTOMOBILÍSTICO VITIMOU O JOVEM SALATIEL BEZERRA E ARTUR DA FONSECA...

Nota de pesar às famílias...
É com grande pesar e consternação que lamentamos o falecimento de Salatiel e Artur, ocorrido por volta das 19 :00horas (27/11), na comunidade da baviera, zona rural de Assu-RN. Prestamos nossas condolências aos familiares e amigos desses dois jovens que morreram de forma inesperada deixando toda cidade entristecida.

...Quanta tristeza

Há nesta vida.

Só incerteza.

Só despedida...

Vinícius de Moraes

O PESO DO BALAIO


Não faz parte da minha índole o uso da critica sem sentido, aquilo que considero da minha ossada costumo mostrar o meu ponto de vista, opinar sempre com o intuito de contribuir construtivamente. Falar sobre a arte faz parte do meu cotidiano, a buscar pela excelência e condições adequadas para realizarmos o trabalho dignifica tanto o agente que promove como o artista que sobe ao palco. Ontem à noite juntamente com O’pessoal do Tarará estive mais uma vez prestigiando o Sexta Cultural com a eliminatória da – A mais bela Voz da Rádio Rural, noite movida por uma série de problemas técnicos insuportáveis. O potencial artístico dos concorrentes superou toda a deficiência da estrutura oferecida, tratava-se de uma etapa regional, necessário um pouco mais de cuidado, passagem de som, ajustes finais indispensáveis. O que importa é que teremos um representante de Carnaubais em Mossoró, nosso amigo Adailso Cirilo que defenderá a canção Beatriz de Chico Buarque e Edu Lobo. É impossível colocarmos a cultura no primeiro plano sem o funcionamento de uma equipe preparada e motivada para o melindroso serviço. Tenho consciência que promover a cultura é carregar o peso do balaio nas costas, neste sentido sou solidário ao Secretário de Cultura local pelo visível esforço, não guardo ranço em meu coração, no entanto preciso dizer que culturalmente a minha cidade está sem rumo, sem um projeto de curto, médio e longo prazo.
Compreendo que o trato com este seguimento não depende de uma única pessoa; gestor, parlamentar, agente, artista, intelectual, sujeito que fala a linguagem do povo, mas de todos esses atores juntos. Quando isso vai acontecer e mudar? Talvez no futuro, no futuro, no futuro...

Zelito Coringa - Opinião


segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Museu Câmara Cascudo, da UFRN, comemora 50 anos

Museu Câmara Cascudo, da UFRN, comemora 50 anos22/11/2010 18:11 O Museu Câmara Cascudo, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, comemora seu quinquagésimo aniversário nesta quarta-feira, dia 24, a partir das 10h. A comemoração acontece no próprio Museu, com a presença de funcionários e de convidados.


A festividade começa às 10h, com o hasteamento de bandeiras na presença da Banda de Música da Polícia Militar. Em seguida, ocorre o lançamento do selo comemorativo e a abertura da exposição “Cinquenta Anos”. A comemoração encerra à noite, com solenidade às 19h30.

CARNAUBAIS LITERALMENTE NA ROTA DAS ARTES

A programção do CARNAUBAIS NA ROTA DAS ARTES - Marcada hoje para o Genipapeiro foi transferida para a Mutambinha por motivos da morte de um jovem estudante, vítima de um acidente de moto. Logo mais as 20:00 horas será apresentado o INSPETOR GERALDO ao lado da capela da comunidade.

OFICINAS TEATRAIS
Amanhã iniciaremos com jovens atores e músicos carnaubaenses a montagem do recital/espetáculo - A LENDA DO POÇO VERDE com estréia prevista para Dezembro. Acabei de enviar textos, poesias e canções compostas especialmente para esta peça.
O objetivo está sendo alcançado paulatinamente.
Este projeto tem patrocício exclusivo do BNB e BNDS, e em Carnaubais recebe apoio da paróquia de Santa Luzia na pessoa do Padre Francinaldo Macário.

OUTRA AÇÃO CULTURAL
O Cine SESI chega a Carnaubais, lembro-me muito bem das solicitações que foram protocoladas para que essa iniciativa viesse a nós em tempo hábil. Tenho certeza que deve ter caído do céu no meio de tanta crise.  É o caso da Filarmônica, que veio mas já se encontra na fila desarmônica...

O SEXTO
De forma civilizada na última sexta cultural promovida pela prefeitura convidei todo O'Pessoal do Tarará para prestigiar o evento, a idéia era mostrar que apesar do projeto CARNAUBAIS NA ROTA DAS ARTES ser independente não veio para a cidade para uma gincana. Estranhou-me a escolha do local para a exibição do cinema, logo ao lado da Igreja Santa Luzia. Espero que não tenham abandonado por hora O Recanto das Artes? As atividades do projeto estão concentradas também ali e se estendem até final de Dezembro.
É por essas e outras que o meu diapasão vive semitonado buscando a afinação ideal no meio desse povo.

Zelito Coringa

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

UM NOVO HINO PARA CARNAUBAIS

O bafejo da brisa já se perdeu no tempo, as salinas, os manguezais, o que nos resta é apenas à saudade de toda uma riqueza entregue de mão beijada. O nosso torrão é muito acolhedor por sinal, essa qualidade permanece viva desde o nascedouro do poço, basta contarmos a quantidade assentamentos, a lavagem dos brutos continuam em nossa margem de crescimento.
Basta sabermos que outros municípios avançam em seus projetos de desenvolvimentos, e Carnaubais? Estamos fadados a perdemos o que ainda nos vale, o petróleo, o ouro não renovável. Pensando nisso, tomo a liberdade de escrever uma nova canção com sustança para a cidade. Não podemos fazer mais o futuro, o nosso tempo já cessou, é preciso fazer o presente agora. Faço questão de apresentar estes primeiros versos.

HINO EM DEFESA DO QUE NOS VALE
Letra e Música: Zelito Coringa

SOPRA O VENTO E TRÁS ESPERANÇA
NOSSA GENTE É DE BRAÇO TÃO FORTE
QUE A PALMA DA PALMEIRA ALCANÇA
A GRANDEZA DO CORTE A CONSORTE
PALMEIRAL PORTAL DA BELEZA
FONTE DE UMA VILA ENCANTADA
DO SOBRADO NOS SOBRA A CERTEZA
QUE É EM NÓS ÉS TERRA ADORADA
FÉ EM TI CARNAUBAIS
POÇO DA LAVAGEM CONSTANTE
FÉ EM TI CARNAUBAIS
FAZ DO TEU PRESENTE GIGANTE
NA DEFESA DO AMOR E DA PAZ
FÉ EM TI CARNAUBAIS...


















Montagem do Espetáculo - CARNAUBAIS NA ROTA DAS ARTES

A ARTE ACONTECE NA TERRA DAS QUANDUS

sábado, 13 de novembro de 2010

FÁTIMA XIMENES VICE-REITORA DA UFRN

GRANDES MULHERES NO COMANDO
A professora Ângela Paiva Cruz, atual vice-reitora, e a professora Fátima Ximenes, diretora do Centro de Biociências, foram eleitas reitora e vice-reitora, respectivamente, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em pleito realizado na última quarta-feira, 10 de novembro. Do total de 34.080 votantes, a chapa Novas Conquistas obteve 65,68% dos votos, contra 34,31% para a chapa Um Novo Olhar, encabeçada pela professora Arlete Araújo.
A nova reitora da UFRN venceu nos três segmentos – professores, alunos e servidores técnico-administrativos. De acordo com o atual reitor, Ivonildo Rêgo, a escolha feita pela UFRN representa a opção pela continuidade dos projetos de sua gestão e a expectativa de novos avanços e crescimento da Instituição.
Eleita para o quadriênio 2011/2015, Ângela Paiva afirma que o resultado da eleição é reflexo da aprovação obtida na gestão Ivonildo/Ângela. “Obviamente me sinto feliz com o resultado e desde já agradeço aos professores, alunos e servidores que confiam em mim para gerir a Universidade por quatro anos. Quero dizer também que eles podem esperar a continuidade do trabalho da atual gestão e que novos avanços estão por vir”, disse.
Os nomes das professoras Ângela Paiva Cruz e Maria de Fátima Ximenes deverão compor
uma lista tríplice, que será elaborada pelo Conselho Universitário (CONSUNI), em reunião prevista para o próximo dia 30 de novembro. Esta lista será encaminhada para o Ministério da Educação, que homologará o nome da nova reitora.

A nova reitora tomará posse dia 30 de maio de 2011, quando termina o mandato o reitor Ivonildo Rêgo.
Maria de Fátima Freire de Melo Ximenes é diretora do Centro de Biociências e chefe do Laboratório de Entomologia e orienta alunos de graduação e pós-graduação, além de desenvolver projetos de pesquisa sobre a transmissão de doenças.
Do blog: Sou muito grata a Fátima Ximenes, por todos os seus ensinamentos, morei com ela sete anos (quando estudei em Natal) e aprendi muitas lições que me fizeram crescer, Fátima é uma mulher inquestionável, é um grande exemplo de ser humano. Fico muito feliz por todas as suas conquistas.
Filha de Gilberto Freire e Terezinha Bezerra (minha tia)

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

PENSE NISSO!


FOLHA EM BRANCO
Certo dia eu estava aplicando uma prova e os alunos, em silêncio, tentavam responder as perguntas com uma certa ansiedade. Faltavam uns 15 minutos para o encerramento e um aluno levantou o braço, dirigiu-se a mim e disse:"Professor, pode me dar uma folha em branco?"Levei a folha até sua carteira e perguntei porque queria mais uma folha em branco. Ele respondeu: " Eu tentei responder as questões, rabisquei tudo, fiz uma confusão danada e queria começar outra vez". Apesar do pouco tempo que faltava, confiei no rapaz, dei-lhe a folha em branco e fiquei torcendo por ele.Aquela sua atitude causou-me simpatia. Hoje, lembrando aquele episódio simples, comecei a pensar quantas pessoas receberam uma folha em branco, que foi a vida que DEUS lhe deu até agora, e só têmfeito rabiscos, tentativas frustradas e uma confusão danada... Acho que agora seria bom momento para se pedir a DEUS uma nova folha em branco, uma nova oportunidade para ser feliz. Assim como tirar uma boa nota depende exclusivamente da atenção e esforço do aluno, uma vida boa também depende da atenção que demos aos ensinamentos do Mestre.Não importa qual seja sua idade, condição financeira, religião, etc. Levante o braço, peça uma folha em branco, passe sua vida a limpo. Não se preocupe em tirar 10, ser o melhor.
Preocupe-se apenas em aplicar o aprendizado que recebeu nas aulas do Mestre. Ele se interessa por aquele que pede ajuda e repete toda a "matéria" dada, portanto, só depende de você.
Rita Pando - Direitos reservados à Paróquia Santa Catarina http://www.paroquiasantacatarina.com.br/

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Crucificar Monteiro Lobato?

"Que não comece entre nós, banindo um livro infantil do mais brasileiro dos nossos escritores, uma onda do mal, uma nova caça às bruxas, marca de vergonha para nós"
No curso de uma vida somos submetidos a muita insensatez e muita tolice. Nem tudo é Mozart ou Leonardo da Vinci, carinho de amigos e filhos, abraço de pessoa amada. Então, a gente vai ficando calejado, para não expor demais a alma como alguém a quem retiraram a pele, e a quem a mais leve, mais doce brisa parece um fogo cruel. Pois nestes dias me deparo na imprensa com algo que rompeu minhas defesas e me fez duvidar do que estava lendo. reli, mais de uma vez, em mais de um jornal, e ali estava: querem banir das escolas um livro (logo serão todos, logo serão de muitos autores, não importa por que motivo for) de Monteiro Lobato, porque alegadamente contém alusões racistas.
Ora, gente, eu fui nutrida, minha alma foi alimentada, com duas literaturas na infância: os contos de fadas de Andersen e dos irmãos Grimm, e Monteiro Lobato. Duas culturas aparentemente antípodas, mas que se completavam lindamente. Narizinho e Pedrinho moravam no meu quintal. Emília era meu ídolo, irreverente e engraçada. Dona Benta se parecisa com uma de minhas avós, e tia Nastácia era meu sonho de bondade e aconchego. Eu me identificava mais com elas do que com as princesas e fadas dos antiquíssimos contos nórdicos, porque jabuticaba, bolinho, bichos e alegria eram muito mais próximos de mim do que as melancólicas histórias de fadas e bruxas – raiz da minha ficção.
Toda essa introdução é para pedir às autoridades competentes: pelo amor de Deus, da educação e das crianças, e da alma brasileira, não comecem a mexer com nossos autores sob essa desculpa malévola de menções a racismo. Essa semente terá frutos podres: vamos canibalescamente nos devorar a nós mesmos, à nossa cultura, à nossa maneira de convivência entre as etnias.
Com esse perigosíssimo precedente, vamos começar a “limpar”, isto é, deformar muitos livros. Japoneses, árabes, alemães, italianos, poloneses, índios e negros (ou não posso mais usar essas palavra?) sofrem ou podem sofrer ataques racistas. Isso é motivo de penalidades da lei para os racistas, se for o caso. Racismo dói, eu sei disso. Quando menina, certa vez um grupo de crianças nem louras nem de olhos azuis me cercou no pátio da escola, e elas dançavam ao meu redor cantando “alemão batata come queijo com barata”. Não gostei. doeu-me. Hoje acho graça: na hora não foi engraçado.
Mas por isso vamos cavoucar em livros de história e banir os autores – o que só se admite em casos claros de repugnante racismo, não importa contra que raça for, diga-se de passagem? Essa planta rasteira, que vai contaminar nossa cultura, tem de ser cortada pela raiz. Ou a caça às bruxas vai se disseminar feito peste, pois é uma peste, iniciando um processo multiplicador de maldades comandadas por inveja, ou seja o que for, destruir obras, vidas, memórias, e atacar sobretudo as almas infantis como insetos daninhos. Não permitam isso, autoridades responsáveis e competentes: uma vez iniciado, esse processo não terá fim.
O politicamente correto pode ser perigoso e hipócrita. Os meus olhos azuis, como os de um de meus filhos, e os olhos escuros dos outros dois, como os oblíquos dos japoneses e os olhos pretos dos árabes, são todos da família humana, muito maior e mais importante do que suas divisões raciais.
Nem comecem a dar ouvidos a essas buscas mesquinhas por culpados a ser jogados na fogueira: livros queimados foram um dos índices sinistros – ao qual nem todos deram a devida imprtância – da loucura nazista. Muita tragédia começa parecendo natural e desimportante: no início, achava-se Hitler um palhaço frustrado. Deu no que deu, e manchará a humanidade pelos tempos sem fim.
Que não comece entre nós, banindo um livro infantil de Monteiro Lobato, o mais brasileiro dos nossos escritores: será uma onda do mal, uma nova caça às bruxas, marca de vergonha para nós. Não combina conosco. Não combina com um dos lugares nesta conflitada e complicada Terra onde as etnias ainda convivem melhor, apesar dos problemas – devidos em geral à desinformação e à imaturidad: o Brasil.
Veja edição 2190, ano 43, n.º 45, 10/11/2010, pág.26.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

O poder da escolha


A todo instante fazemos escolhas em nossas vidas. Até mesmo o fato de não escolher, já é uma escolha. Escolhemos sair ou ficar em casa, escolhemos terminar o trabalho hoje ou deixar para amanhã, se queremos andar com fulano ou ciclano... Tudo na vida é uma questão de escolha.O fato é que as escolhas têm consequências. Todas as escolhas têm consequências!O que precisamos avaliar é que ao decidirmos seguir um caminho, realizar um sonho, conquistar uma meta iremos pagar um preço por isso. É uma escolha.Podemos perder algo, mas também podemos ganhar algo.A dica é que você reflita sobre suas atitudes, procure ser menos impulsivo e perceba que não existe o certo e o errado: tudo é uma questão de valoração pessoal e uma avaliação sobre "o que se ganha e o que se perde" com cada escolha que fazemos.Não quero aqui, de forma alguma, pregar minha escala de valores, tampouco julgar suas escolhas, apenas alertá-lo que, se estiver consciente das consequências, talvez sua vida comece a ter resultados mais acertados a cada dia.Lembre-se: Todas as escolhas têm consequências, reflita antes de agir. Acredite: você terá mais liberdade de dizer sim ou não para os eventos de sua vida e com certeza irá se arrepender bem menos de resultados diferentes dos esperados.
Ana Maria Braga

sábado, 6 de novembro de 2010

JÁ PODE PROGRAMAR...


Teatro do Midway será inaugurado com show de Roberto Carlos
Natal vai ganhar um novo ponto de cultura a partir do dia 9 de dezembro, quando será inaugurado, no Shopping Midway Mall, o Teatro Riachuelo. O show de abertura do novo espaço cultural da capital potiguar será só para convidados e contará com a presença do rei Roberto Carlos.
De acordo com a assessoria do teatro, já nos próximos dias 19 de 26 de novembro serão realizados dois shows em caráter de teste. Segundo a assessoria, a cantora Elba Ramalho e o cantor Jorge Vercillo farão apresentações que servirão como teste acústico da casa.
Os shows custarão R$ 80 e R$ 40 (meia) cada e os ingressos estão à venda na La Femme Lingerie.

Da redação do DIARIODENATAL.COM.BR

PENSE NISSO!








"...Para viver de verdade, pensando e repensando a existência, para que ela valha a pena, é preciso ser amado; e amar; e amar-se. Ter esperança; qualquer esperança. Questionar o que nos é imposto, sem rebeldias insensatas mas sem demasiada sensatez. Saborear o bom, mas aqui e ali enfrentar o ruim. Suportar sem se submeter, aceitar sem se humilhar, entregar-se sem renunciar a si mesmo e à possível dignidade. Sonhar, porque se desistimos disso apaga-se a última claridade e nada mais valerá a pena. Escapar, na liberdade do pensamento, desse espírito de manada que trabalha obstinadamente para nos enquadrar, seja lá no que for. E que o mínimo que a gente faça, seja, a cada momento, o melhor que afinal se conseguiu fazer."(Lya Luft)

Do blog: É incrível como alguém consegue pedir para que tenhamos equilíbrio de uma forma tão simples, tão bela...Lya é uma escritora inquestionável.


quinta-feira, 4 de novembro de 2010

ESPETÁCULO CONTINUA

Se acreditarmos que Jesus Cristo com as suas ações de caridade, amor, cura e atenção verdadeira ao povo mexeram com o brio dos poderosos, e que esses o crucificaram temendo a força dos seguidores oprimidos retratados neste mesmo filho do carpinteiro, nos faz ter a certeza que evangelizar é sem dúvida politizar as pessoas por intermédio da palavra de Deus. Deste os tempos mais remotos o homem tem buscado melhorar a sua própria vida, a vida do próximo, no gesto mais simples, na atitude mais desprovida de qualquer interesse. A política nos move mesmo sem sabermos que estamos sendo movidos por ela, podemos ser levados para a terra prometida ou ficarmos aprisionados no deserto querendo matar a sede sem dar um passo à frente em busca da fonte. O chamamento de um líder nos faz acordar para os desafios da existência, e neste sentido devemos agradecer aos milhares de religiosos que conseguem agir com liberdade e coragem objetivando a compreensão dos ensinamentos bíblicos sem perder de vista a missão de fazer a humanidade ser repleta de cidadãos conscientes. Quem consegue transcender e contribuir com distinção merece todo o respeito do mundo. Agradeço ao nosso pároco local Francinaldo Macário pelo apoio ao projeto CARNAUBAIS NA ROTA DAS ARTES. Gostaria de dizer que humanizar através da arte é também um difícil sacerdócio.
Zelito Coringa

domingo, 31 de outubro de 2010

VENCE A PRIMEIRA MULHER PRESIDENTE-PRESIDENTA DO BRASIL? O Dicionário Aurélio ensina que o feminino de presidente é presidenta.


É isso mesmo, com "a" no final. Talvez seja um pouco estrando por falta de costume. Agora com Dilma presidenta do Brasil, iremos logo nos acostumar. Mas, também podemos falar Dilma presindente do Brasil.

O Brasil, um país extremamente maxista, já conta com grandes mulhers no poder. Sem dúvidas, Dilma já é um grande exemplo para muitas de nós.

sábado, 30 de outubro de 2010

CHEGAMOS AOS 30 MIL ACESSOS

Graças a colaboração de vocês nosso Blog atinge a marca de 30.000 acessos.
Obrigada a todos e voltem sempre!

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Confira a lista de aprovados no ProITEC

A Pró-Reitoria de Ensino divulgou na tarde de hoje (29) o resultado final do Programa de Iniciação Tecnológica e Cidadania, o ProITEC. Mais de 6 mil alunos participaram do programa. Os 840 aprovados estudarão nos cursos técnicos integrados do IFRN a partir do primeiro semestre de 2011.
Confira a lista de aprovados.

Os candidatos poderão consultar o extrato de desempenho e o resultado dos recursos da prova discursiva no endereço: http://proitec.ifrn.edu.br/

Os aprovados devem efetuar a matrícula nos 1 e 2 de fevereiro de 2011. Para matricular-se são necessários os seguintes documentos:

02 (duas) fotos 3x4 (recentes e iguais);

Carteira de identidade (cópia acompanhada do original);

Cópia da Certidão de Nascimento ou Casamento;

Certificado de conclusão do ensino fundamental (cópia acompanhada do original);

Histórico escolar do ensino fundamental (cópias acompanhadas dos originais).

Título de Eleitor, no caso dos maiores de 18 anos (cópia acompanhada do original);

Certificado de Alistamento Militar, de Dispensa de Incorporação ou de Reservista, no caso dos maiores de 18 anos do sexo masculino (cópia acompanhada do original);

Cadastro de Pessoa Física (CPF) (cópia acompanhada do original);

Parecer de equivalência de estudos da Secretaria Estadual de Educação, para os aprovados que realizaram estudos equivalentes ao Ensino Fundamental, no todo ou em parte, no exterior;

Se apresentar documentos em língua estrangeira, estes deverão estar visados pela autoridade consular brasileira no país de origem e acompanhados da respectiva tradução oficial.

Fonte: IFRN

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

COMUNICADO DO BLOG - O VARZEANO

                Comunico aos leitores do Falando de Saberes que voltarei a atualizar -  O VARZEANO – www.ovarzeano.blogspot.com – Espaço criado com o objetivo de divulgar e discutir as questões ligadas à cultura e assuntos afins. Desde já estarei fazendo a cobertura completa do projeto CARNAUBAIS NA ROTA DAS ARTES, iniciativa do qual sou parceiro e tem apoio decisivo do BNB/BNDS de Cultura.
Zelito Coringa

HOJE TEM RECITAL NO SÍTIO CASINHAS

O Carnaubais na Rota das Artes começa a chegar as comunidades rurais, hoje a noite será a vez do Sítio Casinhas que receberá às 20:00 horas – A Ventania de Shakespeare. Todas as atividades do projeto são gratuitas e conta com o patrocínio exclusivo do BNB e BNDS. O recital permite um encontro d´O Pessoal do Tarará com a obra do dramaturgo inglês William Shakespeare (1564-1616) e do violeiro potiguar Eliseu Ventania. Shakespeare aparece com a sua poesia presente nos Sonetos, além de pequenos trechos de grandes obras de seu repertório, como Mercúcio e Romeu (Romeu e Julieta), Hamlet, Beatriz (Muito Barulho por Nada), Aarão (Tito Andrônico). De Eliseu Ventania vem às canções que são executadas ao vivo, ao som da viola. Fazem parte do repertório as canções Folha Seca, Serenata na Montanha, Onde Morou Felicidade, Lencinho da Partida, Casal Feliz, Invernada no Sertão, Dez Anos Depois, Ausência e Saudade, e Um Adeus pra Nunca Mais.O roteiro possibilita esta mistura, três cegos, um guia, um violeiro e um garçom. Os cegos se encontram numa mesa de bar, ao som da viola. Depois de alguns goles de cachaça, começam a contar experiências que viveram quando enxergavam, abordando temas como morte, sofrimento, amor, família, como faziam William Shakespeare e Eliseu Ventania.


FICHA TÉCNICA:
Adaptação e Direção: Dionízio do Apodi
Arranjos Musicais: Zelito Coringa
Figurinos: O Pessoal do Tarará
Iluminação: Alex Peteka
Elenco: Antonio Marcos, Dionízio do Apodi, Ludmila Albuquerque, Madson Ney, Maxson Ariton e Zelito Coringa.

sábado, 23 de outubro de 2010

BASTA ESTARMOS VIVOS!

Cada dia que passa me surpreende a quantidade de talentos que temos perdidos pelas ruas da cidade, boquiaberto fico ao ver o tamanho do despreparo do poder público em lidar com todo esse potencial humano, fora a famosa maquiagem, o uso e o abuso da criatividade alheia, a cultura continua na gaveta do segundo plano, aliás, em plano nenhum absolutamente. A arte precisa acordar o povo para o que ainda nos resta de bom em nossos corações, precisamos de novas formas de humanização, precisamos sentir o outro como gente. Carnaubais bem que poderia ser um exemplo cultural para o vale do Açu, falta-nos gestores como uma visão de futuro num ângulo de 360° de pura sensibilidade artística. Da maneira como se procede custarão quem sabe alguns anos para construirmos um espaço ideal, quem sabe possa surgir um parlamento inteiro para defesa deste seguimento improdutivo de votos, como dizem. A Cultura continua sendo conversa ligeira nas pontas de rua, debaixo das árvores, nos quadrantes quadrados dos gabinetes. Enquanto isso pulsa em cada olhar espectador a sede insaciável da beleza e do sorriso, está viva na cabeça do nosso inconsciente coletivo.

Zelito Coringa  

ACORDES DE ARTE

Após a segunda semana do CARNAUBAIS NA ROTA DAS ARTES a população carnaubaense começa a prestigiar o projeto de forma espontânea, até o momento toda a divulgação na cidade tem sido feita boca a boca. Prezamos pela formação de platéia, esse é o objetivo primordial, oportunizar as pessoas a prestigiarem arte de qualidade gratuitamente. Aos poucos está sendo introduzido todo o repertório teatral do Grupo O’Pessoal do Tarará, a arte musical também entrará em cena com a participação de jovens músicos do município. Fechamos os primeiros dias de apresentações com uma crescente particpação do público nos espetáculos e enorme procura pelas oficinas de teatro e música. Na próxima segunda feira o "Inspetor Geraldo será apresentado ao lado do mercado público, pontualmente às 20:00 horas.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

NOSSA AGENDA CULTURAL

                             O PULO DO GATO
Horário: 20:00 HORAS
Local: CENTRO CULTURAL SANTA LUZIA
Classificação: LIVRE
Realização: O’PESSOAL DO TARARÁ
Projeto: CARNAUBAIS NA ROTA DAS ARTES
Patrocínio: BNB e BNDS
Apoio Local: PARÓQUIA DE SANTA LUZIA





PENSE NISSO!



"Não há escola que se iguale a um lar decente, nem professores que se igualem a pais honestos e virtuosos."
Mahatma Gandhi

Desenho de  João Victor Coringa

Ler doce Ler - Isabel Stilwell


           Criação de João Victor Coringa

Quando olho para uma floresta vejo gnomos de orelhas espetadas a sair de dentro dos cogumelos. Quando me apetece experimentar o doce fechado naquele frasco em que prometi não tocar até Janeiro de 2003, à cause da dieta, começo a rir porque me lembro do Winnie the Pooh, que a pretexto de verificar se o mel estava bom esvaziou o pote que, ainda por cima, era para oferecer ao maníaco-depressivo do lô. Quando me perguntam qual é o meu tipo de homem, respondo logo que não tem nada que saber, é o príncipe que mata dragões e finalmente sobe pelas tranças da sua Rapunzel, seja qual for a altura da torre. E se me cruzo na rua com alguém que corre afogueado, vejo o coelho da Alice, de relógio em punho, a dizer: "Estou atrasado, estou atrasado". E quando tudo me chateia, e só me apetecia estar longe dali, acabo a reunião com um "desculpem mas vou para a Terra do Nunca". E nunca me fio num armário pela porta, ou não soubesse que por detrás de pelo menos um está Narnia…

Vivo pelos livros que li ou que me leram. As semelhanças que encontro entre eles e o mundo em que vivo confortam-me e fazem simultaneamente crescer em mim a adrenalina: afinal piso o caminho que outros já pisaram, afinal aquela calçada pode não ser apenas e só isso, uma calçada…

Trouxeram-me a capacidade de acreditar no que vejo e naquilo que não vejo, o gozo de brincar com as ideias, sem medo do absurdo, a felicidade de encontrar as minhas paixões e tristezas retratadas por um autor que eu nem conhecia – como é que ele sabia que eu me sentia assim? –, a certeza de que cada contrariedade ou obstáculo se pode superar com determinação e uma gargalhada, porque afinal os monstros têm mais medo de nós do que nós deles…

Foi isto que me trouxeram os livros que li, ou que me leram, sentada ao colo da minha mãe para os ouvir, enroscada numa manta enquanto um dos meus irmãos imitava a voz de Gollum do Senhor dos Anéis, ou dava graças a Deus pela papeira que me dava direito a sessões de leitura mais compridas. Hoje, quando os releio, baixinho para mim ou alto para os outros, revivo a história, mas por entre as linhas chega-me também o afecto desses gestos, o calor das memórias, que me deixam com a sensação de que não há privilégio maior do que um colo e um livro…

Esta é a magia dos bons livros infantis, daqueles que nunca nos saem da cabeceira, daqueles que esperamos impacientemente que os nossos filhos tenham idade para ler e que constroem um património comum de uma geração, de um país.
Ler doce Ler - Isabel Stilwell

VOTAMOS EM DILMA

O PESSOAL DO TARARÁ VOTA 13

Nós, d´O Grupo de Teatro O Pessoal do Tarará, de Mossoró (RN), tornamos pública a nossa posição para as eleições presidenciais, e defendemos o voto em Dilma Roussef, candidata do Partido dos Trabalhadores, no próximo dia 31 de outubro, entendendo que esta escolha seja a certeza das grandes mudanças no setor cultural brasileiro, que ocorreram durante o Governo Lula, continuarem. A instituição O Pessoal do Tarará nunca vinculou o seu nome a nenhum candidato, em nenhuma eleição, mas entende que, agora, neste momento em que a aliança PSDB/DEM aterroriza a nação brasileira com baixarias e preconceitos, sem contar a total falta de ética e de respeito ao próximo (requisitos fundamentais para O Pessoal do Tarará), isso se faz necessário, como forma responsável de preservação da democracia brasileira, instrumento fundamental para o desenvolvimento de todos os setores de nosso país. O Pessoal do Tarará realiza um trabalho social, há oito anos, e por isso se põe na condição de formador de opinião, com o intuito de alertar a população sobre o retrocesso que pode acontecer numa possível vitória da "ALIANÇA TERRORISTA (PSDB/DEM)". É inadmissível que um país como o Brasil, hoje com um lugar de destaque no cenário internacional, tenha uma população que se deixe influenciar por absurdos proferidos pela coligação PSDB/DEM, que planta informações falsas e aterrorizantes sobre a candidata Dilma Roussef, que representa, hoje, a continuidade deste governo que conseguiu colocar o Brasil num lugar de destaque no cenário mundial e elevou o nível de vida da população mais pobre. Na cultura, somos testemunhas e prova dos avanços deste modelo implantado pelo presidente Lula. Nós (d´O Pessoal do Tarará) sempre batalhamos e trabalhamos muito, com organização, planejamento, empreendedorismo e respeito ao próximo. Num governo democrático como o do presidente Lula, qualquer instituição com estas qualidades tem como caminho certo o crescimento. E foi isso que fizemos: crescemos muito.
Começamos vendendo rifa de par de tênis, botando o pouco dinheiro dos integrantes no próprio grupo (quando tínhamos), pedindo dinheiro emprestado à família, amigos. E, acima de tudo, tínhamos o grande sonho e objetivo de viver da própria arte, sem precisar que os integrantes do grupo trabalhassem em outros ofícios durante o dia, e dedicassem apenas um tempo que sobrava, como lazer, ao teatro, ao grupo. No início, isso parecia impossível para as pessoas de fora. Não para nós. Partimos rumo a este objetivo e encontramos, ano após ano, ações consistentes na área cultural, movidas pelo Governo Federal, que ajudaram O Pessoal do Tarará a conquistar este sonho. O Brasil não sabe, mas há mais de três anos, em Mossoró, no Estado do Rio Grande do Norte, no Nordeste Brasileiro, um grupo de teatro consegue viver de seu próprio fazer artístico, tendo os seus integrantes se dedicado exclusivamente ao grupo. Este mesmo grupo, hoje, consegue desenvolver com muito mais possibilidades um projeto social em uma comunidade carente de Mossoró, através de seu Ponto de Cultura, do Programa Cultura Viva do Governo Federal, sendo talvez o maior avanço na democratização do acesso à arte no país. Com recursos do Governo Federal, recebidos através do Banco do Nordeste, Petrobras, Funarte, Ministério da Cultura, O Pessoal do Tarará desenvolveu dezenas de projetos, fazendo o teatro chegar com força e qualidade aos locais mais distantes: de Mossoró, do Rio Grande do Norte, do Nordeste, e do Brasil. Hoje, para um grupo de teatro receber recursos federais para a realização de seus projetos, ele concorre em igualdade de condições com grupos de todo o Brasil, sem privilégios. As escolhas são feitas por projetos, por ações que realmente ajudem a desenvolver o setor cultural brasileiro. Não existe mais o projeto aprovado por amizade ou troca de favor. Além do setor cultural, todos os setores que compõem este Brasil cresceram muito com o Governo Lula, que democratizou o que era privilégio apenas de uma elite prepotente, preconceituosa, baixa e arrogante, que ao ver seus privilégios diminuindo, em favor das camadas mais populares, tenta retornar ao poder, usando dos recursos mais baixos e vergonhosos, num verdadeiro perigo à nossa democracia, conquistada tão duramente. Queríamos agradecer ao presidente Lula, com quem sonhamos, lá atrás, que um novo Brasil seria possível, pela dignidade que o seu governo nos concedeu. Hoje O Pessoal do Tarará, com seus integrantes vindo das classes mais baixas da população, consegue viver de sua própria arte, anda de avião, tem estrutura própria, faz apresentações nos quatro cantos do país, e tem seu nome respeitado, tornando-se referência em trabalho artístico e social, por onde passa. Dilma Roussef representa a continuidade de um Brasil democrático. Com o Governo Dilma veremos o Brasil caminhar ainda mais neste trajeto onde os menos favorecidos têm voz e vez. Nós, d’O Pessoal do Tarará, ainda temos muitos sonhos, muitos projetos para realizar. E é por isso que, no dia 31 de outubro, vamos votar 13 e seguir melhorando o Brasil, com Dilma presidente.

O Pessoal do Tarará

Alex Peteka
Antônio Marcos
Deyse Negreiros
Dionízio do Apodi
Zelito Coringa
Josy Maia
Ludmila Albuquerque
Madson Ney
Maxson Ariton
Paulo Igor Albuquerque
Rosi Reis

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

HOJE TEM ESPETÁCULO, TEM SIM SENHOR!

 O Carnaubais na Rota das Artes
segue apliando as suas atividades, hoje às 20:00 horas será apresentado na praça Nelson Gregório uma livre adaptação de um grande clássico do teatro: “O Inspetor Geral”, de Nicolai Gógol (1809-1852). Neste espetáculo o Grupo O Pessoal do Tarará transforma o clássico em “O Inspetor Geraldo”, espetáculo de rua feito por cinco atores.

FICHA TÉCNICA:Livre adaptação de O Inspetor Geraldo, de Nicolai Gogol
Adaptação e Direção: Dionízio do Apodi
Figurinos e Maquiagem: João Marcelino
Elenco: Alex Peteka, Antônio Marcos, Ludmila Albuquerque, Madson Ney e Maxson Arito

Belíssimo conto de Bartolomeu Campos Queirós. Pura poesia!


Há muitos e muitos anos, não muito longe daqui, vivia uma menina que sonhava em ter a Lua. E, por mais que a mãe lhe dissesse que a Lua ficava longe e era fria, mais a menina chorava e pedia.

Para distrair a filha, a mãe tecia e bordava seus vestidos com luares de prata, pacientemente. O pai enfiava em fios de seda pérolas brancas e lisas, cultivadas em conchas, para o colar da menina. Mas nada trazia a felicidade para a filha, que sonhava, dia e noite, noite e dia, em ter a Lua, mesmo sendo longe e fria.

Muitas vezes, buscando consolar a menina, a mãe dizia: "Filha minha, o caminho da Lua é muito dentro da noite. Em seu escuro, além de estrelas e constelações, grandes dragões cortam as estradas com raios, trovões e labaredas. Nas nuvens da noite dormem morcegos com asas longas, capazes de esconder outros vampiros e demônios." Mas nada desviava o desejo da menina de morar na Lua, mesmo sendo longe e fria.

Uma tarde o pai não voltou do trabalho. Perdeu-se nas sombras da floresta colhendo os frutos mais saborosos, fabricados pela ternura das estações, para presentear à filha. A noite já andava alta, e a mãe, debruçada na janela, com os olhos fixos no caminho que traria o esposo, caiu em um sono grande e mais profundo que o firmamento. E a menina, sonhando com a Lua, aproveitou o descuido dos pais e tomou o caminho de São Tiago, buscando a Lua, longe e fria. A estrada era feita de neblina e poeira de estrela, brilhante como o vidro. Mas entre uma estrela e outra havia o nada. E o nada era imenso e vazio.

Ela assentou-se na primeira estrela, debruçada sobre a noite. Muito triste, começou a chorar. E seu intenso pranto choveu por sobre a Terra. E eram tantas as lágrimas que um oceano, salgado e misterioso, se formou.

A mãe da menina, com medo de se afogar, pediu ajuda aos céus e transformou-se em espírito das águas. O pai, sem a esposa e a filha, cheio de amor, salvou-se em um pequeno barco e passa as noites e noites navegando nos mares, procurando a mulher e a menina querida.

Naquela noite, os soluços da menina chamaram a atenção de um cavaleiro que galopava pelas estradas de São Tiago. Escutando o pranto, cheio de pena, aproximou-se da menina. Adivinhando o seu desejo de ter a Lua, mesmo sendo longe e fria, oferece-lhe ajuda. A menina montou na garupa do cavalo branco. E, como o cavaleiro era São Jorge, não foi difícil chegar à Lua.

E até hoje, se a noite é clara, a menina desce com a Lua para o fundo dos mares, rios e oceanos, visita o espírito das águas e ilumina o caminho para o pescador de estrelas

Este texto faz parte do Livro "Faca afiada", do escritor Bartolomeu Campos Queirós. (Editora Moderna)