quinta-feira, 27 de setembro de 2012

DE NORDESTINO PARA NORDESTINOS

PROFESSOR DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - CONTEXTUALIZA TRABALHO POÉTICO DE ARTÍSTA CARNAUBAENSE QUE SERÁ LANÇADO EM SÃO PAULO.

Levas de retirantes saídas do sofrido nordeste brasileiro, com ênfase à sua porção semiárida, retratam o êxodo histórico que assinala de forma proeminente a busca pela sobrevivência encetada pelas populações desprezadas dos recônditos distantes de uma região que já foi rica e hoje empobrecida e abandonada ainda sofre com flagelos seculares que apenas atestam a forma mesquinha como está condicionada a reprodução das estruturas de poder, cuja manutenção do status quo é condição sine qua non para que uma pequena porção privilegiada desfrute de um complexo processo de construção coletiva, de cuja maioria que a implementa ainda se encontra distante de usufruir democraticamente das conquistas efetivadas através do trabalho árduo de um povo batalhador, humilde e honesto.

 "Ano de 69
Na Vila Leopoldina
O marco da Ceagesp
Na Amérina Latina
Sente a força do braço
Do sertanejo de aço
Das terras de Teresina.

O Sonho dos Piauís é o de todo nordestino que sai de sua terra natal em busca de melhores condições de vida, fato constatado brilhantemente pelo músico/poeta e entusiasta da cultura popular nordestina Zelito Coringa, pois sonho acalentado coletivamente, revela a têmpera de aço de uma gente forte e irresoluta que não foge à luta em prol da construção do país, embora o reconhecimento ainda não esteja à altura do esforço desmedido que marca a saga dos deserdados da terra do sol pelas plagas distantes localizadas bem além do querido torrão natal.

No repente que nos fala
Da cultura de origem
Do verde da mata virgem
Da viola que embala
A canção que virou hino
É o que traz dentro da mala
O poeta nordestino."


Melhoria das condições de vida é privilégio de poucos nordestinos que se aventuram nas incertezas da migração em direção aos espaços mais privilegiados do circuito econômico nacional. A maioria, em razão da pouca qualificação laborial, vai executar trabalhos penosos que castigam o físico de qualquer ser humano, não obstante a bravura indômita dessa gente queira ser mais heróica, bem mais forte do que os desafios e as provações que o destino vem enfatizando ao longo desse intrigante elemento da dinâmica populacional brasileira, marcado pela ausência de verdadeiros compromissos dos setores públicos e privados que poderiam se responsabilizar pela consolidação de melhores dias para o nordestino que sai de sua terra natal e vai dar suor, sangue e lágrimas na formação da riqueza que apenas alguns, privilegiados pelo sistema, são contemplados de forma significativa.

(*) José Romero Araújo Cardoso. Geógrafo. Professor-adjunto do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.




quarta-feira, 12 de setembro de 2012

AO SAUDOSO LUIZINHO TEODÓSIO

Meu Vô Paizinho

Luiz Sales Torres, homem de negócios, um senhor fazendeiro muito reconhecido na região. Com cabelos grisalhos, barriga grande, chapéu na cabeça, e cigarro na boca. Dono de muitas terras e cabeças de gado. Comercializava ouro, e também frutos que extraia de suas plantações, sempre dedicado ao trabalho, cuidava bem de seus sítios, conservando a beleza natural, e deixando-os bem atrat

ivos. Suas relações de amizades eram com pessoas influentes, e no convívio familiar costumava dizer que seus netos seriam doutores...na sua linguagem significava médicos ou advogados.
Lembro-me das aventuras vividas com o meu avô quando íamos no jipe azul para o sitio apanhar mangas, e ele pedia para ajudá-lo a juntar, para mim aquilo era uma forma de divertimento, para era ele apenas uma ajuda que eu estava dando em mais um dia de afazeres árduo.
Depois de apanhar as mangas e colocar nos caixões feitos de madeira, ele as colocava dentro do jipe que ficava amarelinho com mangas de todos os tipos e tamanhos, depois do dever comprido íamos ao rio nos banhar, chupar manga e comer carne assada com farinha, que o meu paizinho levava para o lanche. A água doce do rio, o sol quente de um dia de verão, os mergulhos e piruetas que ele fazia na água me enche o coração de saudade, e os olhos de lagrimas, onde será que ele guardou esses momentos queridos? Onde o alzaime deixou o meu paizinho? Para onde foram o sitio, as mangas, o rio, o sol, as piruetas e mergulhos, a carne com farinha? Porque o tempo varreu a memória do meu querido vovô? Porque o levou para tão longe da realidade?
As respostas; não as temos, o que sabemos na verdade é que o senhor foi, é e sempre será nosso eterno vô paizinho.
Ass: seus netos, Aldirene, Aldinete, Aldineide, Naldinho e Liss

domingo, 9 de setembro de 2012


Você

Por Marcio Gil de Almeida 

Um cidadão, chamado Você, estava em seu dia normal, matando o seu leão do dia. No entanto, aquele dia era especial , porque nele receberia uma sabedoria que iria atingir a vida de todos. Ele não sabia, mas Você não esqueceria jamais! Então, Você resolveu visitar a mãe e o pai, num bairro chamado Muito Bonito. Ao sentar-se, percebeu um cheiro desagradável. Ele perguntou:Que cheiro é esse mãe? A mãe respondeu: Filho isto é o esgoto que escorre nas ruas do nosso bairro Muito Bonito. Você, ficou indignado e perguntou o porquê desta situação. Logo a sabedoria apareceu e respondeu: Falta POLÍTICA DE SANEAMENTO BÁSICO. Você resolveu atrevessar o bairro para ver o tio e logo observou muitas crianças em horário escolar brincando nas ruas. Ele queria saber o porquê, e , o seu pai irado com a situação, falou-lhe o seguinte: Não há escolas! Então, o impacto foi grande e Você ficou aterrorizado por falta de escolas. Aí a sabedoria entrou em cena e disse a Você: Falta POLÍTICA DE EDUCAÇÃO. Você, chegou na casa do tio e recebeu a notícia que o seu tio estava internado no hospital. Ele ficou abalado e muito preocupado. Ele correu para o hospital , no mesmo bairro Muito Bonito, e, logo descobriu que o hospital colocou o tio dele no corredor, não havia remédios e nem médicos. Ele queria entender  porque ele pagava tanto imposto e o seu tio preferido estava quase morrendo por descaso. A sobedoria respondeu a Você: Falta POLÍTICA DE SAÚDE. Você, virou o rosto ao lado, na frente do hospital e viu muito jovens e adultos desenpregados e desesperados. E antes que ele indagasse, a sabedoriarespondeu: Falta POLÍTICA ECONÔMICA E POLÍTICA DE GERAÇÃO DE EMPREGO. Você concluiu que tudo é politica, desde o calçado, a roupa, a moradia, a saúde, o emprego, a educação, etc. Não há como fugir. Você conversou com a sabedoria e descobriu que para ele mudar a situação tinha que está bem informado, participar das decisões eletivas, cobrar e acompanhar o desenpenho dos seus representantes. Você decidiu que o futuro de todos sempre passa nas mãos de quem vota e não podemos desistir de um mundo melhor. Todos aqueles que foram eleitos que são ladrões ou incompetentes, lançaremos fora nesta eleição. Todos que de maneira direta ou indiretamente estão ligados com corruptos, devemos rejeitá-los. Não votaremos neles em hipóse alguma. Podemos escolher um futuro melhor. Votemos no melhor. Devemos perguntar num final de governo: Minha vida melhorou? Outros candidatos são melhores do que o atual? Lenvantemos sempre questionamentos que esclareçam quem são os candidatos e quais são as suas propostas. Também, devemos saber ouvir de mente aberta os candidatos conhecidos e não tanto conhecidos. Todos devem ter a mesma chance de ser ouvidos. Lembre-se, o que imoporta para nós é o interesse do povo e não daqueles que têm ou não têm poder. Você aprendeu a lição: Só podemos melhorar se Você, se Eu e se Todos nós estivermos unidos e organizados em favor do Brasil. Você sabe, Você acredita e Você decide.



Tipos de Eleitores

Por Pr. Marcio Gil de Almeida


http://1.bp.blogspot.com/-FACHDsJzm_g/T_kCAQC3ANI/AAAAAAAAAbQ/9Y0uSM-BfCY/s1600/Como-tirar-titulo-de-eleitor-pela-Internet-Gratis-criarfazer.jpgEm conversa com vários conhecidos e vendo os seus posicionamentos, me vi surpreso com a visão de cada um. Uns me alegraram e outros me deixaram muito triste. A questão não é se está contra ou a favor do meu candidato, mas quais são os motivos que os levam a escolher o seu candidato a prefeito e a vereador.  Hoje, uma pessoa me falou que “é apenas uma questão de opinião”. Ao meu ver não é apenas “uma questão de opinião”, é a nossa responsabilidade em decidir o destino das condições de vida de todos. O meu voto, o teu voto, o seu voto e o nosso voto podem prejudicar a vida de muitos ou da mesma forma, melhorar a vida muitos. Nesta classificação a seguir, que é difícil de separar na prática cada um, mas que temos de levar em conta. Vejamos:

1- Por conveniência- Este eleitor recebe benefício do governo (municipal, estadual e federal). Pode ser um servidor público por contrato ou em cargo de confiança, via nomeação. Pode ter patrocínio em seus programas de radio e TV, jornal, revistas, sites, blogs etc. Pode ter parentes empregados e por isso vai votar no candidato da situação. Ou porque a sua empresa é contratada da prefeitura, não sabe se vai continuar com a nova administração e desta forma votar para ver se vai garantir o seu contrato.

2- Corrupto – Este Eleitor ganha com a corrupção da administração pública. É corrupto passivo ou ativo. Por isso participa da administração de forma direta ou indireta. Sabe das tramoias e não está nem aí. Quer é mais... e que venha mais benefício pra si.

3- Nilista - Alguns dias passado perguntei a um conhecido sobre a sua posição politica e ele me disse o seguinte: Estou com todo mundo. Vem os militantes do PMDB e digo que estou com eles, vem os militantes do PT e digo que estou com eles e vem os militantes do PR e digo que estou com ele. Ao questioná-lo ele me disse que qualquer um que entrar na prefeitura vai roubar. Então, tanto faz se está roubando, pois o próximo também irá roubar. Todos são corruptos e não faz diferença. Em outras palavras, não há sentido na politica. Esta é a visão nilista. Esta palavra vem de nihil e significa "nada" em latim. O niilista, portanto, é quem não acredita em NADA! Para ele tudo na vida é desprovido de sentido. Esta visão desemboca no ceticismo e no anarquismo. Ao meu ver promove a desesperança e não constrói coisa alguma.

4- Pseudo-apolítico – Apolítico é o cidadão que se diz que que não possui ideias políticas ou as não manifesta. Na minha visão não existe apolítico. Existem pessoas que afirmam ser, mas na realidade eles não querem assumir a sua responsabilidade de cidadãos e resolvem fugir da vida. Ou pode ser até um alienado, todavia a sua posição não é de apolítico. O eleitor alienado é aquele que transfere o seu direito para o domínio do outro. Quer dizer que é uma pessoa que abre mão do seu direito de decisão para que outros o faça. É por isso que existem aqueles que definem alienados como doido.
5- Partidário – Este eleitor é aquele que vive da posição e interesse do partido. Não importa a verdade ou a mentira, o justo ou injusto. O importante é o que o partido interessa. Segue a cartilha do partido.

6- Idealista - Este eleitor que defende as suas ideias. Não quer dizer propriamente dele, todavia defende valores, princípios e uma visão de mundo. Tudo está debaixo disto e é julgado por este idealismo. Vou dar um exemplo de quem segue um idealismo. O cristão, em sua vida segue o idealismo bíblico/cristão, este não vai comungar com ideias de aprovação do aborto, de desconstruir a família e da aprovação da profissionalização da prostituição. Com certeza não vai votar em partido que defende algo que vai contra a sua própria fé. Todos tem uma ideologia, seja para o bem ou para o mal, seja sistematizada ou tenha uma ideologia não estruturada, mas todos a possuem. O verdadeiro idealista sobe o que defende e não abre mão por benefício algum. Em outras palavra não vende a sua consciência.

7- Perdido – Este é o eleitor que vai atras de candidatos a vereador ou a prefeito e fica pedindo para pagar a sua conta de luz, água e se brincar, pede para pagar até a pensão das crianças. Se corrompe e corrompe o candidato por pouca coisa. Chegam até a vender o voto. Não tenho dúvidas, está perdido na sua consciência.
8- Consciente – Sabe o valor do seu voto. Procura se informar e usa a informação para construir e promover uma atitude de libertação e construção. Pode ser de um partido ou não, ter uma ideologia sistematizada ou possuir uma ideologia não estruturada. Ele opta pelo que é certo e justo. Não vai votar em alguém só pra agradar ou porque poderá receber algum benefício. Não entra em extremos e não abre mão dos seus valores.

PARA ENCERRAR, DESAFIO A TODOS PARA QUE OLHE BEM LÁ NO FUNDO DA SUA COSCIÊNCIA E DIGA PRA VOCÊ MESMO QUAL DESTES ELEITORES VOCÊ É.

Quatro tipos de eleitores


Os eleitores locais podem ser divididos em pelo menos 4 categorias distintas: os com interesses pessoais, os fanáticos, os críticos e os indiferentes. Os diretamente beneficiados em seus interesses pessoais são os que ambicionam um cargo de confiança, os que pretendem alugar imóveis para a prefeitura, os que querem ter a oportunidade de fornecer produtos e serviços (quando estes não exigem licitação), ou aqueles que pleiteiam melhores salários para a sua categoria profissional. Esses eleitores não pensam no coletivo, querem apenas o atendimento a seus interesses individuais. Há também os fanáticos para os quais o grupo político é mais importante que o candidato. Esses eleitores votam incondicionalmente e cegamente. São massa de manobra, votos de cabresto. Não fazem qualquer avaliação, param no tempo, morrem defendendo uma causa que nem eles mesmos conhecem. Assemelham-se a torcedores fanáticos de time de futebol, mas com uma diferença: não criticam nem xingam quando seu time vai mal. O oposto destes últimos eleitores são aqueles que pensam numa cidade melhor para todos, gostam do lugar onde moram e não querem abandoná-lo. Querem alguém com mais capacidade para administrar a cidade e não estão presos ideologicamente a nenhum grupo político. Essas pessoas apresentam uma visão mais amadurecida, mais lúcida do seu papel de cidadãos. São pessoas com boa razão crítica, não são facilmente influenciadas, não é fácil manipulá-las, não se dão ao trabalho e à humilhação de se abaixarem ao comando de animadores de passeatas políticas. Por fim, há os indiferentes, ou porque colocaram grandes expectativas em grupos políticos e se decepcionaram sistematicamente, ou porque não acreditam mais na capacidade da política para promover mudanças que melhorem sua qualidade de vida. Anulam seu voto ou votam em branco como forma de protesto.
Imagem disponível em: http://brasil.indymedia.org/images/2004/09/290888.jpg