terça-feira, 17 de outubro de 2017

PROJETO: UMA GOTA DE CONSCIÊNCIA


     











... a superação dos problemas exigirá mudanças profundas na concepção de mundo, de natureza, de poder, de bem-estar, tendo por base novos valores individuais e sociais. Faz parte dessa nova visão de mundo a percepção de que o homem não é o centro da natureza (BRASIL/MEC, 1997, pág. 22).

1 – Apresentação:
Este projeto é uma continuidade da temática que estávamos trabalhando e visa ajudar a todos os funcionários, alunos e pais a se conscientizarem, agora mais do que nunca, em relação à cultura de preservação da água, mostrando suas múltiplas formas de uso, os ciclos da mesma, sua importância para a vida e sobrevivência dos povos.
2 – Justificativa:
O trabalho com o tema “UMA GOTA DE CONSCIÊNCIA”, deverá apresentar para as crianças e adolescentes uma visão ampla que envolve inúmeros problemas que a nossa região do vale e o mundo atual vem enfrentando com relação à falta de água. O projeto deve ser desenvolvido visando proporcionar aos alunos uma diversidade de experiências, com participação ativa, para que possam ampliar a consciência sobre as questões relativas à água e assumir de forma independente e autônoma atitudes e valores voltados à sua proteção e conservação e chegar até os pais com visão consciente para poder despertá-los também.
3 – Objetivos gerais:
Ajudar os alunos a descobrirem os sintomas e as causas reais dos problemas que a cidade de Carnaubais, o RN e o Brasil vem enfrentando com a poluição e a falta de água, onde possam:
- perceber as interferências negativas e positivas que o homem pode fazer na natureza, a partir de sua realidade social;
- reconhecer que a qualidade de vida está ligada a educação, a consciência, às condições de higiene e saneamento básico, à qualidade do ar e do espaço;
- adotar, por meio de atitudes cotidianas, medidas de valorização da água, a partir de uma postura crítica;
- levar os alunos a entenderem que o equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos;
- conscientizar que a água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem em casa, nem na escola, etc.

[...] além do seu compromisso com a causa ambiental e com uma educação transformadora e dialógica, deve haver um conhecimento que lhe permita construir e reconstruir, num processo educativo de ação e reflexão, o conhecimento sobre a realidade de modo dialógico com os sujeitos no processo educativo, no sentido de superar a visão fragmentada sobre a mesma.     Paulo Freire

 
O professor deverá planejar os conteúdos específicos de acordo com o bimestre, fazendo valer os quatro pilares da educação e os conteúdos: conceituais, procedimentais e atitudinais.

4 – Problematização: através das experiências já vividas pelos alunos no seu âmbito familiar, a principal função desse projeto é de contribuir para a formação de cidadãos conscientes, aptos para decidirem e atuarem diante da realidade em que o mundo vem enfrentando com a poluição e a escassez de água. Para isso, é necessário que mais do que informações e conceitos, adquiram, mais atitudes e formação de valores, que deverão ser demonstrados na prática do dia a dia, no meio social.
5 – Etapas Previstas:
1ª Etapa: Apesentar o projeto aos pais e provocar reflexão na reunião do 3º  bimestre, conversar com os alunos sobre a importância da água para o nosso organismo e o meio em que vivemos. O professor poderá contar alguma história associada ao tema;
2ª Etapa: pesquisa sobre o tema, dirigida pelo professor,... materiais levados pelas crianças e jovens, pesquisados em casa e análise dos mesmos;
3ª Etapa: cada aluno poderá confeccionar um livreto com figuras, fotos reais da situação do Rio Açu, da barragem armando ribeiro... e produções de textos individuais; ( solicitar um caderno pequeno para eles...)
4ª Etapa: utilizar os materiais restantes para a montagem de um mural sobre o assunto, em lugar visível a toda comunidade escolar;
5ª Etapa: discussão de uma peça teatral sobre o tema, onde os alunos montarão os diálogos, a fim de que esta seja apresentada para outras turmas;
6ª Etapa: trabalhar com músicas, ex: a música “Planeta Água”, de Guilherme Arantes, onde as crianças poderão elaborar cartazes em grupo retratando o que entenderam da mesma;
7ª Etapa: visita ao rio Açu e discussões sobre a realidade do mesmo (turmas maiores)
8ª Etapa: trabalhar com experiências concretas, mostrando a importância da água para nossa vida, para as plantações, bem como os estados físicos da mesma.
6 – Recursos didáticos: todos os materiais diversos, atividades e soluções utilizadas durante a realização do projeto, como revistas, jornais, livros, passeios, entrevistas com pessoas da família e da sociedade, cola, tesoura, papéis,  gravuras ... etc.
7 – Avaliação: deverá ser feita de forma contínua, com apontamentos descritivos de cada etapa, das discussões do grupo, das atitudes diante do projeto, etc. O professor deverá avaliar também a participação e o envolvimento de cada aluno, de forma individual, bem como avaliar o desenvolvimento de seu trabalho de forma crítica e construtiva. Realizar apenas uma avaliação escrita e objetiva ao final do projeto.
8 – Conclusão: Espera-se que ao término do projeto as crianças e jovens estejam conscientes da importância da água tanto para a vida animal como para a vegetal, que saibam utilizá-la sem desperdício e sem poluí-la, levando para seu meio social todo esse aprendizado.
9 – Bibliografia:
- Parâmetros Curriculares Nacionais, vol. 9 – Meio Ambiente e Saúde,
- Projetos Pedagógicos 3º Milênio – Miriam Cristina Cazante de Carvalho.
Outras pesquisas...
Adaptado por Josélia Coringa-Diretora da ESCOLA ADALGIZA/CARNAUBAIS
De: Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia

SUGESTÕES: CONTEÚDOS                                                                                                     1. Conteúdos conceituais:

Reconhecer a importância da água para a vida e suas diversas utilidades;
Identificar os cuidados que devemos ter com água potável;
Compreender o ciclo da água;
Conhecer as causas da poluição da água;
Identificar o percurso da água do rio ate as casas;
Conhecer a existência da água no nosso corpo e nos alimentos;
Conhecer as causas da atual diminuição das reservas d água;
Despertar para a necessidade de se economizar água;

2. Conteúdos procedimentais:

Assistir vídeos (Carta escrita no ano 2070, Planeta água – Guilherme Arantes e etc.);
Produção textual, poesias, acrósticos, paródias;
Leitura de textos informativos relacionados ao tema;
Realizar experiências diversas com água nos seus três estados;
Observar um rio ou reservatórios poluídos que faça parte do município;
Observar as consequências dessa poluição no meio em que vive;
Pesquisar em diversas fontes informações bem como imagens que retrate o desperdício da água;
Ouvir músicas, assistir a vídeos que tratem do tema;
Confeccionar painéis relacionados ao tema;
Realizar atividades diversificadas que envolvam todas as áreas do conhecimento;
Registros fotográficos.

3. Conhecimentos atitudinais

Economizar água nas diversas situações cotidianas em casa e na escola;
Colaborar para preservação da água no meio-ambiente;
Ser um agente multiplicador de conhecimentos sobre a água e o meio ambiente em geral;
Valorizar a água, percebendo sua importância para a vida de todos os seres vivos;
Adquirir hábitos de beber água potável, ou seja, filtrada ou fervida;

DISCIPLINAS

PORTUGUÊS:
Leitura de textos, histórias que falem sobre o assunto;
Produção textual;
Escrita espontânea;
Cruzadinhas, caça-palavras;
Entrevista com a família e outros;
Atividades diversificadas (Paródias, Acrósticos, Teatros, etc.);
Escritas de palavras significativas sobre o assunto estudado.

MATEMÁTICA:
Estatística (contas de água) (e porcentagem de água nos alimentos e no corpo);
Noções de massa (pesado/leve), volume (cheio/vazio);
Situações-problema envolvendo a água.
Percentual, encontrado em rios e lagos que a população mundial depende para sobreviver.

CIÊNCIAS
Observação do ciclo da água;
Conversa sobre o desperdício da água nas diversas situações cotidianas;
Experiências diversas com a água nos estados: solido/liquido/gasoso, Tensão superficial;
Visitar ambientes observando o desperdício e a ocorrência de esgoto a céu aberto;
Vídeos que abordam o tema;
Pesquisa de figuras que mostrem as diferenças entre água limpa e a água poluída
Produção de slides abordando os assuntos supracitados.

ARTES
Música Planeta água- Guilherme Arantes, carta escrita no ano 2070
Desenho livre e de observação;
Recortes e colagens;
Painel. 
Atividades diversas, como: coreografias e teatros;
Circuito da água;
Cd Xuxa, Guilherme Arantes, Zezé de Camargo e Luciano, Sá e Guarabyra, etc.


INGLÊS
Tradução de palavras relacionadas;
Jogo de palavras inglês x português

GEOGRAFIA E HISTÓRIA
A escassez de água
( ...que é um problema que já afeta quase todos os continentes, e de acordo com dados da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), em 2025, cerca de 1,8 bilhão de pessoas estarão vivendo em países ou regiões com escassez de água absoluta. Além disso, mais da metade da população mundial poderia estar vivendo sob estresse hídrico, o que corresponde a um desequilíbrio entre a oferta e a demanda de água em determinada região).

– Texto para análise e produção da Linha do Tempo
Um homem, há 100 anos antes de Cristo, consumia 12 litros de água por dia para satisfazer suas necessidades básicas. O homem romano aumentou esse consumo para 20 litros diários e no século XIX o homem passou a consumir 40 litros nas pequenas cidades e 60 litros por dia nas grandes. Já no século XX, o homem moderno chega a consumir 800 litros de água/dia para atender suas necessidades, onde chega a gastar 50 litros de água somente numa rápida ducha de 3 minutos.

FONTE:
http://educacao.globo.com/geografia/assunto/geografia-fisica/agua-uso-e-problemas.html


SEGUINDO A PAUTA: CONSTRUÇÃO DO SUBPROJETO DE SALA DE AULA
                                        PLANEJAMENTO INDIVIDUAL E COLETIVO
                                        COMBINADOS DO GRUPO
                                        DEMONSTRAÇÃO DE CARINHO À EQUIPE
                                        ENCERRAMENTO: ALMOÇO

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

A GRAMÁTICA EM CORDEL


Vou tentar nesse cordel
Escrever com toda tática
Escrevendo com palavras
A palavra em sua prática
Retirando um pingo d’água
Do oceano da gramática.
Pra descrever a gramática
Fazendo a iniciativa
Informo que se divide
Em gramática Descritiva
E a outra que estudaremos
Que é a gramática Normativa.
Essa gramática incentiva
Com padrões de alta soma
Dizendo certo ou errado
Ensina sem ter diploma
E é a melhor professora
Na escola do idioma.
Essa gramática é quem toma
Para si em alta escala
A norma culta da língua
E pra nós vem ensiná-la
Pois é a legislação
De quem escreve e quem fala.
Quando vamos estudar
Na prática e na teoria
Vemos que ela se divide
Primeiro em Fonologia
Por último é em Sintaxe
E no meio em Morfologia.
A famosa ortografia
É o estudo da escrita
Ortoepia ou Ortoépia
Cuida da pronúncia e dita
E a prosódia dá acento
Quando a sílaba tônica grita.
Fonologia recita
Das palavras o poema
Traduz a sonoridade
Do vocábulo em seu dilema
E oferta sem receber
O fruto do seu fonema.
Morfologia é a gema
Ligada por entre as quais
Faz-se estudo das palavras
Analisa e é capaz
De estudar e dividi-las
Em classes gramaticais.
A sintaxe corre atrás
Dum relacionamento
De palavra e oração
Seguindo esse pensamento
Sem batina vira padre
Fazendo esse casamento.
Seguindo esse pensamento
Se vê os Substantivos
Próprios, simples e concretos
Abstratos, coletivos
Derivados e compostos
Os comuns e os primitivos.
Dão nome aos seres vivos
Reais ou imaginários
Pois mudam em grau e gênero
E em números necessários
Meia dúzia de letrinhas
Dão nome extraordinário.
Os artigos, legendários
Pois sempre próximos estão
Ligado ao substantivo
Pertinho nessa união
Como unha unida a carne,
Uma casa e um botão.
O adjetivo, então
É quem traz a qualidade
Dá a um substantivo
Qualifica de verdade
Eita que coração bom
Que só traz fraternidade.
Flexiona-se a vontade
Seja, gênero número e grau
Derivam-se muitos outros
Partindo do original
Acrescentando o sufixo
A base do radical.
Dos pronomes o ideal
É sempre de acompanhar
Ou de substituir
Sua vida é ajudar
A todo substantivo
Quando ele precisar.
Sete espécies a contar
Primeiro os demonstrativos
Pessoais, de tratamento
E os interrogativos,
Relativo, indefinidos
E por último os possessivos.
O verbo com seus motivos
Indica ação com certeza
Indica estado também
Em um tempo com sem surpresa
A mudança de um estado
E fenômeno da natureza.
O verbo em si é a presa
Da forma oracional
Por último são desinências
Mais primeiro é o radical
E fazendo o equilíbrio
Tem-se no meio a vogal.
Tem o verbo principal
Tem também o irregular
Anômalo e defectivo
Abundante: fixar
E os irregulares dão
Trabalho pra conjugar.
Três modos tem pra falar
Primeiro é o indicativo
Que indica uma certeza
Depois é o subjuntivo
Que indica uma dúvida,
Ordem é o imperativo.
O modo indicativo
No mundo indicativo
São divididos seus tempos
Em meia dúzia ou seis
O imperativo são dois
E o subjuntivo três.
Eu digo sem timidez
Sobre esses tempos verbais
Só não vou dizer os dez
Que vai nome de mais
E ainda lembro das três
Que são formas nominais.
Vozes do verbo, tem mais
Primeiro é a voz ativa
Sujeito fazendo ação
Quando recebe é passiva
E quando faz e recebe
Faz a voz reflexiva.
O advérbio incentiva
Um verbo modificar
Ou outro substantivo
Se a frase necessitar
Adjetivo e até ele
Se o tempo determinar.
Do advérbio vou citar
Sua classificação
Tempo modo ou de lugar
Dúvida ou afirmação
Tem também de intensidade
E por último de negação.
A nobre preposição
É invariável profunda
Pois é quem liga a palavra
 Ao sentido da segunda.
É líquido da mesma água
Que no sentido se inunda.
A conjunção é profunda
São palavras com funções
São pequenos tijolinhos
De gigantes construções
Não é concreto, mas une
Paredes de orações.
Exprimindo as emoções
A interjeição dá sinal
De estado e sensações
De apelo pessoal.
E quantidade e posição
Quem nos mostra é o numeral.
A sintaxe sem igual
De maneira organizada
Traz de bandeja pra nós
Oração subordinada
E depois na sobremesa
Refeição de coordenada.
Oração subordinada
Divide-se em subjetiva
Objetiva direta,
Indireta e completiva
Apositiva e agente
Por último predicativa.
A sintaxe incentiva
Para nós termos enfim
Porém se formos falar
Da gramática assim, assim
Iniciamos agora
E só Deus sabe onde é o fim.
Caro leitor, deixo assim
Gratidão de forma prática
Por conhecer meu trabalho
Só fiz do resumo a prática
Pra você sentir o cheiro
Da panela da gramática.

Autor: Rui Vicente Feitoza Muniz

Uma boa educação começa pelo exemplo.


 


Somos nós, os pais, as mães, os responsáveis por formar pessoas boas e responsáveis.


Muitos pais pregam um conjunto de valores que eles mesmos nunca colocaram em prática: o valor do respeito, do reconhecimento, da humildade, da disciplina etc.

À medida que crescemos, vamos percebendo a diferença entre palavras e ações. Se os nossos pais não foram um bom exemplo, temos que ter em mente que “não devemos seguir os exemplos dos nossos pais", “não devemos cometer os mesmos erros”. e assim por diante.
Vivemos imersos em um modelo  educacional de difícil solução, difícil e deprimente, mas não impossível…

Precisamos acreditar no poder do exemplo para transformar a educação no país, no nosso estado, no nosso município.  E esse processo não começa na escola ou no meio acadêmico; começa em casa, aprendendo a ser cidadão de bem a partir da sabedoria, dos exemplos e experiências de nós, como pais. Colocando limites e disciplina. É nisso que devemos acreditar, agora mais que nunca. Sejamos vigilantes em nossas ações cotidianas.
Quando entrei na Universidade em 1996, acreditava em outro mundo, acreditava que ia encontrar as respostas que indagavam a minha mente. É inegável que lá aprendi muito...coisas também valiosas, mais o que tive de maior valor veio da minha mãe, Luzimar Coringa, veio do meu pai, José Bezerra, membros da minha família e os professores acrescentaram. 
É primordial mostrar para os nossos filhos e alunos que nenhuma escola, nem universidade  será tão boa e eficiente quanto a força exemplar da família e dos sábios nas batalhas da vida. Não deve-se esperar da escola, decadente como ela está nesse país, a solução para formação humana, sozinha ela não formará ninguém. 
Prezados pais, estejamos atentos, ainda que falhos.
Estamos vivendo a maior crise de valores, que mina a mente das novas gerações. Isso preocupa, isso incomoda. Cadê os bons exemplos? A juventude ver o externo, os meios de comunicação influenciam demasiadamente, não está havendo filtros, o que é ruim tem prevalecido. Infelizmente!

leia!



É importante refletirmos sobre esses pontos (baseados em artigos de Stephen Kanitz):
– Quem são os heróis que estão lutando por nosso país nesse momento?
– Quem você conhece que lhe serve de exemplo?
– O maior exemplo para seus filhos será sempre você mesmo(a) e seu exemplo.
–  Leva-se tempo e experiência na grande escola da vida para se formar uma sólida opinião a respeito de qualquer assunto.
– Nossos filhos refletirão a educação que receberem em casa.
– Preocupe-se menos com a escola e mais com o que é ensinado em casa.
– Que os filhos sejam fortes o suficiente para resistir às falácias e mentiras que serão pronunciadas nos seus círculos e convivências. 
"Os grandes líderes, os mais eficazes de uma sociedade, não são aqueles que lideram por sua superioridade intelectual ou imposição moral, mas aqueles que aprenderam através do tempo e do sofrimento, o valor que as faculdades interiores e os exemplos pessoais demandam sobre a vida dos outros". 

Josélia Coringa
25/09/17

domingo, 17 de setembro de 2017

CROQUI DO DESFILE

ALA
 DEUSA DA AGRICULTURA
NA RESPONSABILIDADE AS TURMAS DE 4º ANO
DOS PROFESSORES:  ARINALDO SALES E EMÍLIA FARIAS


                   Esta ala representa a FORÇA e o PODER.
         A força que vem do homem do campo... do trabalhador rural que luta com garra, enfrentando os infortúnios dos climas, que muitas vezes são desfavoráveis para o plantio e desenvolvimento de sua cultura. Que luta de sol a sol, de seca a inverno para sustentar uma nação e manter o pão nosso de cada dia em nossas mesas.
         E o poder, que vem da mãe Terra, da água, do fogo e do ar  juntos com a força do agricultor move a DEUSA da AGRICULTURA e faz brotar o alimento de nossa vida. E nesse processo, temos como aliados todas as ferramentas necessárias para o cultivo, sem esquecer da “velha” e tão importante: a Senhora Enxada, que hoje trabalha acompadrados com os mais modernos veículos de alta geração para atividade do campo sendo ela (a enxada) a mais respeitada de todas.
         Temos as colheitadeiras, mulheres de forte valor e de grande brio, que colhe das entranhas terra o fruto da semente de seu suor valente... e leva para a mesa o sustento contente que serenará a fome  dos filhos dessa nação brasileira. Viva a agricultura Salve o AGRICULTOR.







BREVE RESUMO DE TODAS AS ALAS...