domingo, 16 de dezembro de 2012

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

“Estamos carentes de excelência. A mediocridade reina, assustadora, implacável e persistente”



 
BUSCANDO A EXCELÊNCIA

Quando falo em excelência, não me refiro a ser o melhor de todos, ideia que me parece arrogante e tola. Nada pior do que um arrogante bobo, o tipo que chega a uma reunião, seja festa, seja trabalho, e já começa achando todos os demais idiotas. Nada mais patético do que aquele que se pensa ou se deseja sempre o primeirão da classe, da turma, do trabalho, do bairro, do mundo, quem sabe? Talento e discrição fazem uma combinação ótima.
Então, excelência para mim significa tentar ser bom no que se faz, e no que se é. Um ser humano decente, solidário, afetuoso, respeitoso, digno, esperançoso sem ser tolo, idealista sem ser alienado, produtivo sem ser viciado em trabalho. E, no trabalho, dar o melhor de si sem sacrificar a vida, a família, a alegria, de que andamos tão carentes, embora os trios elétricos desfilem e as baladas varem a madrugada.
Estamos carentes de excelência. A mediocridade reina, assustadora, implacável e persistente. Autoridades, altos cargos, líderes, em boa parte desinformados, desinteressados, incultos, lamentáveis. Alunos que saem do ensino médio semianalfabetos e assim entram nas universidades, que aos poucos — refiro-me às públicas — vão se tornando reduto de pobreza intelectual.
As infelizes cotas, contra as quais tenho escrito e às quais me oponho desde sempre, servem magnificamente para alcançarmos este objetivo: a mediocrizaçâo também do ensino superior. Alunos que não conseguem raciocinar porque não lhes foi ensinado, numa educação de brincadeirinha.
E, porque não sabem ler nem escrever direito e com naturalidade, não conseguem expor em letra ou fala seu pensamento truncado e pobre. Professores que, mal pagos, mal estimulados, são mal preparados, desanimados e exaustos ou desinteressados. Atenção: há para tudo isso grandes e animadoras exceções, mas são exceções, tanto escolas quanto alunos e mestres. O quadro geral é entristecedor.
E as cotas roubam a dignidade daqueles que deveriam ter acesso ao ensino superior por mérito, porque o governo lhes tivesse dado uma ótima escola pública e bolsas excelentes: não porque, sendo incapazes e despreparados, precisassem desse empurrão. Meu conceito serve para cotas raciais também: não é pela raça ou cor, sobretudo autodeclarada, que um jovem deve conseguir diploma superior, mas por seu esforço e capacidade, porque teve ótimos 1º e 2° graus em escola pública e ou bolsas que o ampararam.
Além do mais, as bolsas por raça ou cor são altamente discriminatórias: ou teriam de ser dadas a filhos de imigrantes japoneses, alemães, italianos, que todos sofreram grandemente chegando aqui, e muitos continuam precisando de esforços inauditos para mandar um filho à universidade.
Em suma, parece que trabalhamos para facilitar as coisas aos jovens, em lugar de educá-los com e para o trabalho, zelo, esforço, busca de mérito, uso de sua própria capacidade e talento, já entre as crianças. O ensino nas últimas décadas aprimorou-se em fazer os pequenos aprender brincando.

"As infelizes cotas (...) servem magnificamente para alcançarmos a mediocrização também do ensino superior" 


Cotas, ainda mais por raça ou cor, "são altamente discriminatórias: ou teriam de ser dadas a filhos de imigrantes japoneses, alemães, italianos, que todos sofreram grandemente chegando aqui, e muitos continuam precisando de esforços inauditos para mandar um filho à universidade" 

 LYA LUFT-REVISTA VEJA


terça-feira, 4 de dezembro de 2012

O preço da ignorância

"Se você acha que a educação é cara, experimente a ignorância." Frequentemente atribuída a Derek Bok, ex-reitor da Universidade Harvard, a frase resume com precisão a ideia de que dinheiro aplicado em escolas não é despesa, mas investimento. Não é preciso ter dirigido uma das melhores universidades do mundo para dar a importância devida à educação. Em São Paulo, cresce de modo significativo o número de pais com disposição e recursos para matricular seus filhos em escolas particulares. Levantamento desta Folha com base em 962 escolas da capital mostra que, de 2001 a 2012, as matrículas na rede pública caíram 14%; no mesmo período, aumentou em 147% a quantidade de crianças em instituições com mensalidades de até R$ 500 (nas mais caras, 15%). A expansão de escolas mais baratas (47% delas foram abertas nos últimos dez anos) parece corresponder à ampliação da classe média. Segundo pesquisa Datafolha de janeiro, ela passou de 57% da população, em 2001, para 63% em 2011. O crescimento mais notável se deu na classe média intermediária (com renda familiar de até R$ 3.000), que foi de 17% para 26%. Pais que decidem apertar o orçamento para matricular seus filhos em escolas privadas o fazem na esperança de dar aos descendentes uma vida melhor do que a que eles próprios tiveram. É uma iniciativa louvável. O Datafolha detectou que a escolaridade, mais que a posse de bens, tem correlação predominante com a posição de classe. No estrato mais alto, 77% têm ensino superior e só 44% frequentaram escolas públicas. Mesmo na classe média alta, a diferença se evidencia: 75% têm ensino médio e 75% cursaram instituições públicas. A educação exerce também um efeito em cascata. O nível de escolaridade dos pais pesa muito no desempenho escolar dos filhos. As gerações futuras tendem a se beneficiar do esforço da presente. Para que esse raciocínio adquira validade, porém, é preciso que as escolas de até R$ 500 sejam bem melhores do que as públicas --algo que ainda não foi demonstrado. A procura por essas escolas, mesmo que de qualidade duvidosa, é mais um sintoma da falência do ensino público no Brasil. Como ocorreu na saúde, com planos privados, e no trânsito, com transporte individual, também na educação o cidadão que paga pesados impostos se vê obrigado a buscar alternativas à indigência dos serviços oferecidos pelo Estado. Parte da população já se deu conta de que educação é investimento, mas não tem força nem representação política para dar consequência social à noção de que a ignorância custa caro ao país.

fonte: http://www.udemo.org.br/

domingo, 2 de dezembro de 2012

MÚSICO DA TERRA FIGURA ENTRE OS NOVOS COMPOSITORES DA CENA MUSICAL BRASILEIRA

Dia 06 de Dezembro na Casa de Noca em Florianópolis a Sonora Parceria formada pelos artistas mais representativos e atuantes na cena musical catarinense, inclui o músico potiguar Zelito Coringa entre os nomes que serão cantados e homenageados – Na noite intitulada “Tributo Autoral”.
Zelito Coringa
 
Alesandro Kramer (Bebê)

Alegre Correia
Caio Muniz
Rafael Calegari

Guinha Ramires
Leandro Fortes
Marcoliva
Pedro Loch
Rafael Meksenas




Acesse: http://catarse.me/pt/cortecostura


sexta-feira, 30 de novembro de 2012

DILMA APROVA 100% DOS ROYALTIES PARA A EDUCAÇÃO

BRASÍLIA - O governo federal anunciou que 100% dos royalties futuros do regime de concessão da exploração do petróleo e 50% de todo o rendimento do fundo social do petróleo deverão ser direcionados para a educação, a partir de 2013. A medida provisória foi divulgada nesta sexta-feira (30), durante a coletiva de imprensa convocada para explicar o veto parcial da presidente Dilma Rousseff ao projeto que muda as regras de distribuição dos royalties.
- A presidente tomou decisão que tem significado histórico. Todos os royalties a partir das futuras concessões em terra ou em mar irão para a educação. Isso envolve todas as prefeituras, os governos dos estados e a União. Ou seja, 100% dos royalties vão para a educação - disse o ministro da Educação, Aloisio Mercadante.

O ministro deixou claro que a decisão se refere apenas à arrecadação com os novos contratos. O valor, segundo ele, é um acréscimo ao mínimo constitucional exigido atualmente.

- Hoje, o município tem que aplicar 25% (das receitas), os estados, 25% e a União, 18%. Então, a receita do petróleo é acima dos 25% dos municípios, acima dos 25% dos estados e acima dos 18% da União. Ou seja, é um acréscimo da receita. O que vier de receitas do petróleo é para acrescer ao mínimo constitucional - enfatizou Mercadante.

O petista disse que a nova medida viabilizará as metas que tramitam no Congresso para desenvolver a educação no país.

- Estamos decidindo, no Senado, o Plano Nacional da Educação com metas extremamente ambiciosas. Se não quisermos que o plano seja um Protocolo de Kyoto, com o qual todo mundo concorda mas não tem como cumprir, é fundamental ter uma fonte de receita. E a presidente Dilma está dizendo de onde virá essa receita.
Na ocasião, Mercadante e outros representantes do governo explicaram que a presidente Dilma Rousseff sancionou, com vetos, o projeto do Congresso para mudar as regras de distribuição. Dilma vetou o integralmente o artigo terceiro do texto, para resguardar os contratos já estabelecidos. A presidente também corrigiu o erro na distribuição dos recursos dos royalties, que somava 101% em 2017. As novas regras de distribuição dos royalties valerão para os contratos assinados a partir deste anúncio.

A presidente editou uma medida provisória com novas regras de distribuição dos royalties para substituir os artigos vetados para assegurar o respeito à Constituição, a garantia dos contratos e estabelecer regras claras para a exploração de petróleo seja pelo modelo de partilha ou de concessão.

- A MP a ser encaminhada ao Congresso tem como premissas o respeito à Constituição, aos contratos, definição de regras claras para garantir retomada de licitações, garantia da distribuição das riquezas a todo o povo brasileiro, nos royalties firmados a partir desta data, e dar recursos para a educação brasileira - disse a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffman.   https://www.facebook.com/photo.php?fbid=166735673473231&set=a.166734933473305.57850.100004103994324&type=3&theater

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

MENINOS SEM DONO - REALIDADE DAS DROGAS.

O músico Zelito Coringa terá mais uma de suas músicas inseridas em documentário. Dessa vez trata-se do curta-metragem Meninos sem Dono. Com cenas gravadas em lixões de Mossoró, depoimentos de jovens usuários de maconha e crack. Está sendo dirigido pelo ator Américo Oliveira, e se encontra neste momento em processo de finalização.


“É importante viabilizarmos e exibirmos trabalhos como esses nas cidades do vale do Açu. Onde projetos de consistência cultural não existem, a juventude se encontra sem alternativas reais de acesso aos bens culturais e a mercê do banalismo. A grande aldeia varzeana vive realmente abandonada culturalmente, a falácia corre solta na boca dos feudos representantes da região, falta água, falta pão, e sobre tudo visão. Tá todo mundo cego vendo a banda passar. Aliás são bandas partidas ao meio, finaliza Zelito.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Músicas para baixar









Acesse:

Zelito Coringa

LEI DO PISO É MANTIDA NA ÍNTEGRA

- O REAJUSTE DO PISO CONTINUA A SER FEITO CONFORME SEU ARTIGO 5º E PARÁGRAFO - MINISTRO JOAQUIM BARBOSA NEGA LIMINAR AOS SEIS GOVERNADORES NA ADI 4848 - MAIS UMA VITÓRIA DOS PROFESSORES DO BRASIL SÓ FALTA MAIS UM MÊS. NÃO SE MEXENDO NA LEI DO PISO ATÉ FINAL DE DEZEMBRO DE 2012, RESTARÁ GARANTIDO O REAJUSTE INTEGRAL PELO VALOR ALUNO. EIS ENTÃO A BANDEIRA QUE DEVE SER DEFENDIDA PELO MOVIMENTO SINDICAL E TODOS OS PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. QUE TERÃO O QUE COMEMORAR NO NATAL SE NÃO FOREM ATRAIÇOADOS, POIS O STF JÁ PROTEGEU SEU DIREITO AO MENOS ATÉ 2013! FALTAM AOS DEMAIS ATORES SOCIAIS FAZEREM A SUA PARTE! FONTE: BLOG DE VADECY ALVES(LEIA MATÉRIA COMPLETA)

sábado, 17 de novembro de 2012

Piso sofrerá mudanças

No dia de ontem uma comissão de deputados federais, responsável por debater a forma de reajuste do Piso Salarial dos Profissionais do Magistério Público da Educação Básica apresentou ao presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT/ RS), a proposta para o reajuste do Piso Salarial formulada pela Undime, Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e Campanha Nacional pelo Direito à Educação. Basicamente a proposta que foi entregue é a seguinte: o Piso será reajustado anualmente, no mês de maio, com base na reposição da inflação pelo INPC e mais 50% equivalente ao crescimento das receitas do Fundeb. A intenção é de que o texto seja encaminhado como Medida Provisória, para ter validade imediata. Ao entrar em vigor, a Medida Provisória automaticamente tiraria a eficácia da ADIn 4848 – apresentada por governadores – por se tratar de uma nova legislação e não ser o conteúdo questionado no Supremo Tribunal Federal. É mais uma tentativa de resolver uma polêmica que se arrasta desde 2008, ou seja, há um desacordo sobre a forma correta de corrigir os valores do piso nacional do magistério. Alguns esclarecimentos: 1. Atualmente a forma de correção utilizada é feita levando em consideração a variação do valor mínimo por aluno do FUNDEB dos dois anos anteriores, ou seja, considera-se a variação deste valor entre 2012 e 2011 para estabelecer o percentual que corrigirá o piso em 2013. O reajuste, por força da Lei nº 11738/2008, é feito no mês de janeiro. 2. O governo federal tentou aprovar no Congresso Nacional uma mudança que estabelecia correção pela inflação do ano anterior. Esta proposta chegou a ser aprovada na Câmara dos Deputados, mas caiu no Senado Federal. 3. No Senado federal chegou a ser aprovado um substitutivo que estabelecia correção pela variação real (realmente executada) do valor mínimo por aluno nos dois anos anteriores ou, caso menor, pela inflação do ano anterior. A data do reajuste passaria para maio, para que os dados efetivamente executados estivessem disponíveis. 4. O governo conseguiu derrubar o substitutivo e o impasse continuou. Houve forte reação dos governadores e prefeitos contra correções acima de 20% (de 2012 e projetada para 2013). Daí que veio a ideia de formar uma comissão de deputados que buscasse intermediar um acordo entre as partes envolvidas (gestores e trabalhadores). 5. Recentemente os governadores voltaram a questionar a validade da lei, agora no que se refere ao formato de correção do valor do piso. O acordo anunciado, pelo que parece com a anuência da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE e dos gestores municipais (UNDIME). Pelo que li na imprensa os gestores estaduais não estiveram presentes, mas não tenho informações se discordam da proposta apresentada. E, pelo que sei, o ministério da Educação concordaria com o texto anunciado. A ideia de baixar uma Medida provisória seria para superar a lentidão da Câmara dos Deputados e tornar imediatos os efeitos da proposta, evitando que o piso seja reajustado em janeiro de 2013 de forma obrigatória. O que isto significa na prática para os salários dos professores? Bem, para construir o valor definitivo de 2013 é necessário aguardar o encerramento do exercício de 2012, pois o valor do piso será (caso aprovado pela Câmara ou tornado lei por Medida Provisória) calculado pela variação do valor mínimo por aluno efetivamente realizado nos dois anos anteriores. Tal informação no que diz respeito a 2012 só será conhecida lá por março de 2013. Mas é possível tentar fazer alguma projeção provisória. Permanecendo a legislação atual e não sendo revista a estimativa de valor mínimo por aluno atualmente vigente, a correção do valor do piso seria de 21,75%, ou seja, o piso passaria dos atuais R$ 1451,00 para R$ 1766,59. A previsão de crescimento da arrecadação do FUNDEB publicada no início deste ano é de 14,4% e de inflação está girando em torno de 5,35%. Assim, caso seja baixada a Medida Provisória, a correção do piso será em maio e calculado tendo por base a metade deste valor (7,2%) somado ao índice inflacionário, ou seja, o piso sofreria uma correção de 12,56%. Seu valor passaria para R$ 1.633,25 BLOG. Luia Araújo

sábado, 20 de outubro de 2012

ZELITO CORINGA EVOCA A VIOLA E O CORDEL EM SEU NOVO SHOW


No show "Candeeiro de Cem Votis", o potiguar mistura música e literatura, sintetizando a cultura nordestina

A expressão nordestina “votis”, mais usada no Rio Grande do Norte e no Ceará, quer dizer espanto, descoberta, surpresa. É isso que o músico potiguar Zelito Coringa         sentiu aos 14 anos, quando conheceu a força da luz elétrica ao ligar pela primeira vez o interruptor de uma lâmpada de 100 Volts, que projetou um clarão em toda a casa. A mesma sensação que ele busca canalizar em “Candeeiro de Cem Votis”, show que apresenta hoje no Coisas de Maria João, em Santo Antônio de Lisboa, com experimentações na viola nordestina e o resgate da literatura de cordel.
 Textos de sua autoria norteiam a concepção do show, entre eles “Semente de Nós”, “Manual de Sobrevivência” e “Aos olhos de Voz”. Mas poemas de outros autores inspiram suas músicas, entre eles “A Muié e o Amô” do poeta Renato Caldas e “A Mulher e o Reino”, do escritor Ariano Suassuna. O resultado é uma síntese da alma nordestina, tecida por Zelito em sua apresentação. Ele traz também peculiaridade na sua forma de tocar, com a técnica Sanfoneta, extraindo o som do violão com canetas esferográficas.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

ZELITO FARÁ APRESENTAÇÕES DO NOVO SHOW EM FLORIANÓPOLIS E CURITIBA


Zelito Coringa apresenta “Candeeiro de Cem Votis” Composto de poemas e canções autorais, marcado por novas experimentações, afinações alternativas e a técnica Sanfoneta, som extraído do violão com canetas esferográficas.
A musicalidade da viola nordestina e a literatura de cordel estão presentes de forma marcante neste novo trabalho. Textos de sua autoria do premiado Espetáculo Coivarins – Cia Trotamundos de Artes. A Semente de Nós, Manual de Sobrevivência, Aos olhos de Voz – Vencedor de Melhor trilha do Teatro Potiguar/2004 com os parceiros Dudu Campos e Mazinho Viana norteia a concepção musical e poética do Show. Além dos Animais tem Razão e Taco de Chão do poeta membro da ABLC - Academia brasileira do Cordel – Antonio Francisco.
As músicas sobre os poemas “A Muié e o Amô do poeta Assuense Renato Caldas e a “A Mulher e o Reino” – Do autor e escritor Ariano Suassuna sintetizam de forma singela a alma feminina nordestina com simplicidade e sofisticação será também recitada.  
Outras importantes parcerias serão apresentadas, dentre elas “De Mossoró a Canindé” com o Mossoroense Mazinho Viana, trilha sonora do documentário “O Poeta e a Bicicleta” Classificado no FESTin de Portugal/2010. Além das canções inéditas e já gravadas por artistas catarinenses “Xote Lindo” do CD – Bendita Companhia, com Tatiana Cobbett, Marcoliva e Rafael Calegari, Pra Cantar e Ser Feliz, do CD Mar Alto – Caio Muniz, com Marcoliva, Caio Muniz, Rafael Calegari, e as inéditas com a bailarina e compositora Tatiana Cobbett, Mote Contínuo, Cosmopolita e a mais recente Grão de Nós.
Zelito Coringa é potiguar natural de Olho D’água município de Carnaubais interior do Rio Grande do Norte. Músico autodidata descobriu-se como artista ouvindo música num rádio ABC Canarinho movido à pilha Rayovac. O Candeeiro a gás a leitura dos primeiros romances e a escrita dos primeiros rabiscos poéticos.
O termo “Votis” é uma expressão bastante usada no nordeste principalmente no Rio Grande do Norte e Ceará. O seu significado popular é espanto, é surpresa. Vale conferir.  
 “Conheci a luz elétrica aos doze anos de idade, foi uma festa apertar pela primeira vez o simples interruptor da lâmpada de 100 Volts, a luz se fez em todos os recantos da casa, em seguida a poesia abriu-me os olhos para o mundo. O resumo de tudo isso é o desejo de dizer de forma diferente com as novas parcerias, outras energias e musicalmente vivenciar a tão rica cultura brasileira.” Diz Zelito. 

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

COMPOSITOR DE CARNAUBAIS NA ABRAMUS

O músico carnaubaense Zelito Coringa torna-se sócio da Abramus – Associação Brasileira de Música e Artes. A organização passará a cuidar de agora em diante dos direitos autorais de suas composições.
A missão da entidade é continuar a trilhar o caminho do crescimento qualitativo, valorizando a criação artística, por meio da gestão coletiva eficaz dos Direitos Autorais de obras musicais, dramáticas, visuais e audiovisuais.


Entre os artistas renomados estão, Dominguinhos, Adriana Calcanhotto, Tom Zé, Fábio Júnior, Ivan Lins, Vanessa da Mata, Nando Reis, Maria Gadú, Vitor e Léo, dentre outros.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

MORRE SEU MANÉ DA RÁDIO RURAL DE MOSSORÓ

Afinal de contas para onde estamos indo? Cada vez se perde de vista o sentimento de humanidade, de atenção ao próximo e o que entendemos por gratidão. Acabo de receber a notícia do falecimento do radialista Manoel Alves, de 72 anos, o seu Mané da Rádio Rural de Mossoró. O mesmo desde a quinta-feira passada, ou seja, vésperas das eleições aguardava o leito de uma UTI num Hospital de Mossoró.

"Exemplos como o seu Mané estão espalhados por esse Brasil afora. Agora depois que se foi resta transformá-lo em monumento cultural, nome disso, nome daquilo. Lamento profundamente a forma como findou seus últimos dias, a voz desse cidadão chegava aos meus ouvidos de adolescente, músico aprendiz. Foi através do Rádio Rural que descobri o meu desejo de ser artista, de tocar, de fazer música. Lembro-me dos Concursos de A mais Bela Voz, da primeira vez que vi o seu Mané em Carnaubais anunciando os calouros. Como colaborador do Programa Cultura dos Monxorós – do apresentador e parceiro Genildo Costa, adentrando os estúdios da emissora tive a oportunidade de conhecer o seu Mané de perto, muitas vezes chegando na sua inseparável bicicleta. Obrigado seu Mané pela simplicidade e fé no trabalho que exercia, que a sua voz ecoe nas sintonias do céu"


                                                                                       Zelito Coringa - Músico de Carnaubais

Veja o que escreveu Rogério Dias:

“Artistas de Mossoró, um de nossos maiores patrimônios está necessitando de ajuda: Seu Mané da Rádio Rural, que está no HRTM. Não acuso ninguém, não quero criar polêmica com ninguém, mas que falta faz Monsenhor Américo. Seu Mané não merece isso. Só uma perguntinha: Cadê a tão propalada palavra de DEUS. Numa hora dessas, Seu Mané é totalmente esquecido?
Cadê o Bispo, os padres que dirigem a Rádio Rural? Seu Mané que queiram que não hoje ele é um patrimônio imaterial de Mossoró e de todo Estado. Não se fala em programação radiofônica em Mossoró, sem citar o nome desse ícone. Seu Mané!... mas ele está morrendo esquecido dos que provaram de seus trabalhos.

sábado, 6 de outubro de 2012

PAZ NAS URNAS CARNAUBAIS

                                                                    

                                                                       




Por motivo de viagem e trabalho não votarei nestas eleições.
Que amanhã seja um dia de paz, tranquilidade e ato verdadeiramente democrático.
À vocês conterrâneos de Carnaubais desejo boa sorte, que Deus abençõe a todos.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

ZELITO CORINGA VIVÊNCIARÁ PROJETOS CULTURAIS NA REGIÃO SUL DO BRASIL

Zelito Coringa participará de mais um importante momento cultural em Florianópolis trata-se do MUSICASA, iniciativa da cantora e compositora Tatiana Cobbett, que vem acolhendo e produzindo artistas de várias regiões do Brasil. Serão 20 dias de vivências com músicos, compositores e poetas de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Zelito conhecerá dentre as ideias o Abril poético projeto artístico que acontece em várias cidades mineiras, e que tem como idealizadores Osmir Camilo e Wagner Vieira. O carnaubaense visa fortalecer ainda mais o intercâmbio cultural com a região sul do país, e vê de perto as ações culturais que estão dando certo; formas colaborativas de apoio, financiamento e realizações.













Agenda de Shows e Atividades Culturais

De 05 /10 a 12/10 – São Paulo-SP
De 13/10 a 03/11 - Florianópolis-SC
De 04/11 a 10/11 – Curitiba-PR
De 10/11 a 15/11 – São Paulo-SP
De 15/11 a 20/11 – Itajaí e Goiânia-GO

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

QUE DEUS ABENÇÕE A VONTADE DO POVO















HINO DE FÉ A CARNAUBAIS

SOPRA O VENTO E TRÁS ESPERANÇA
NOSSA GENTE É DE BRAÇO TÃO FORTE
QUE A PALMA DA PALMEIRA ALCANÇA
A GRANDEZA DO CORTE A CONSORTE
PALMEIRAL PORTAL DA BELEZA
FONTE DE UMA VILA ENCANTADA
DO SOBRADO NOS SOBRA A CERTEZA
QUE EM NÓS ÉS TERRA ADORADA

FÉ EM TI CARNAUBAIS (2X)
POÇO DA LAVAGEM CONSTANTE
FÉ EM TI CARNAUBAIS (2X)
FAZ DO TEU PRESENTE GIGANTE
NA DEFESA DO AMOR E DA PAZ
FÉ EM TI CARNAUBAIS(2X)

PASSA O TEMPO E CRESCE A VONTADE
DE TE VÊ QUANDÚ RADIANTE
DA VELHA CIDADE HÁ SAUDADE
DO TEU POVO NOBRE CONFIANTE
SEGUROS NA MÃO DA JUSTIÇA
COLHE OS FRUTOS QUE A NATUREZA DEU
DIVINA LUZ APAGA O FOGO QUE ATIÇA
PROTEGE O QUE NOS CONCEBEU

ÉS A NOSSA PALMEIRA RAINHA
MAGESTADE DE GRADE VALOR
NO CHÃO DA MARGEM RIBEIRINHA
A PREMISSA DO SEU LAVRADOR
QUE FAZ O CULTIVO DA TERRA
DEFENDENDO O BEM DA REGIÃO
VALE EM NÓS ASSIM NÃO ENCERRA
VAMOS JUNTOS ESTENDER A MÃO

Letra e Música: Zelito Coringa





terça-feira, 2 de outubro de 2012

MÚSICO DA TERRA VOLTA A SE APRESENTAR EM FLORIANÓPOLIS


O Carnaubaense Zelito Coringa que se encontra em São Paulo seguirá nos próximos dias para Santa Catarina. O potiguar já é bastante conhecido na cena cultural da capital catarinense devido a importantes parceiros musicais: O pianista Caio Muniz, o produtor musical e baixista Rafael Calegari, Marcoliva e Tatiana Cobbett, com eles foram gravadas recentemente as composições: “Xote Lindo e Bendita Companhia”  O músico filho natural de Carnaubais segue paulatinamente divulgando de forma positiva o nome de sua terra, do vale do Açu e do Rio Grande Norte através das suas canções, textos e poesias.

Além das apresentações que fará na Ilha manterá um intercâmbio cultural com os poetas mineiros Osmir Camilo e Wagner Vieira criadores do Abril Poético, projeto artístico de grande repercussão que anualmente acontece em várias cidades do sul de Minas.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

DE NORDESTINO PARA NORDESTINOS

PROFESSOR DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - CONTEXTUALIZA TRABALHO POÉTICO DE ARTÍSTA CARNAUBAENSE QUE SERÁ LANÇADO EM SÃO PAULO.

Levas de retirantes saídas do sofrido nordeste brasileiro, com ênfase à sua porção semiárida, retratam o êxodo histórico que assinala de forma proeminente a busca pela sobrevivência encetada pelas populações desprezadas dos recônditos distantes de uma região que já foi rica e hoje empobrecida e abandonada ainda sofre com flagelos seculares que apenas atestam a forma mesquinha como está condicionada a reprodução das estruturas de poder, cuja manutenção do status quo é condição sine qua non para que uma pequena porção privilegiada desfrute de um complexo processo de construção coletiva, de cuja maioria que a implementa ainda se encontra distante de usufruir democraticamente das conquistas efetivadas através do trabalho árduo de um povo batalhador, humilde e honesto.

 "Ano de 69
Na Vila Leopoldina
O marco da Ceagesp
Na Amérina Latina
Sente a força do braço
Do sertanejo de aço
Das terras de Teresina.

O Sonho dos Piauís é o de todo nordestino que sai de sua terra natal em busca de melhores condições de vida, fato constatado brilhantemente pelo músico/poeta e entusiasta da cultura popular nordestina Zelito Coringa, pois sonho acalentado coletivamente, revela a têmpera de aço de uma gente forte e irresoluta que não foge à luta em prol da construção do país, embora o reconhecimento ainda não esteja à altura do esforço desmedido que marca a saga dos deserdados da terra do sol pelas plagas distantes localizadas bem além do querido torrão natal.

No repente que nos fala
Da cultura de origem
Do verde da mata virgem
Da viola que embala
A canção que virou hino
É o que traz dentro da mala
O poeta nordestino."


Melhoria das condições de vida é privilégio de poucos nordestinos que se aventuram nas incertezas da migração em direção aos espaços mais privilegiados do circuito econômico nacional. A maioria, em razão da pouca qualificação laborial, vai executar trabalhos penosos que castigam o físico de qualquer ser humano, não obstante a bravura indômita dessa gente queira ser mais heróica, bem mais forte do que os desafios e as provações que o destino vem enfatizando ao longo desse intrigante elemento da dinâmica populacional brasileira, marcado pela ausência de verdadeiros compromissos dos setores públicos e privados que poderiam se responsabilizar pela consolidação de melhores dias para o nordestino que sai de sua terra natal e vai dar suor, sangue e lágrimas na formação da riqueza que apenas alguns, privilegiados pelo sistema, são contemplados de forma significativa.

(*) José Romero Araújo Cardoso. Geógrafo. Professor-adjunto do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.




quarta-feira, 12 de setembro de 2012

AO SAUDOSO LUIZINHO TEODÓSIO

Meu Vô Paizinho

Luiz Sales Torres, homem de negócios, um senhor fazendeiro muito reconhecido na região. Com cabelos grisalhos, barriga grande, chapéu na cabeça, e cigarro na boca. Dono de muitas terras e cabeças de gado. Comercializava ouro, e também frutos que extraia de suas plantações, sempre dedicado ao trabalho, cuidava bem de seus sítios, conservando a beleza natural, e deixando-os bem atrat

ivos. Suas relações de amizades eram com pessoas influentes, e no convívio familiar costumava dizer que seus netos seriam doutores...na sua linguagem significava médicos ou advogados.
Lembro-me das aventuras vividas com o meu avô quando íamos no jipe azul para o sitio apanhar mangas, e ele pedia para ajudá-lo a juntar, para mim aquilo era uma forma de divertimento, para era ele apenas uma ajuda que eu estava dando em mais um dia de afazeres árduo.
Depois de apanhar as mangas e colocar nos caixões feitos de madeira, ele as colocava dentro do jipe que ficava amarelinho com mangas de todos os tipos e tamanhos, depois do dever comprido íamos ao rio nos banhar, chupar manga e comer carne assada com farinha, que o meu paizinho levava para o lanche. A água doce do rio, o sol quente de um dia de verão, os mergulhos e piruetas que ele fazia na água me enche o coração de saudade, e os olhos de lagrimas, onde será que ele guardou esses momentos queridos? Onde o alzaime deixou o meu paizinho? Para onde foram o sitio, as mangas, o rio, o sol, as piruetas e mergulhos, a carne com farinha? Porque o tempo varreu a memória do meu querido vovô? Porque o levou para tão longe da realidade?
As respostas; não as temos, o que sabemos na verdade é que o senhor foi, é e sempre será nosso eterno vô paizinho.
Ass: seus netos, Aldirene, Aldinete, Aldineide, Naldinho e Liss

domingo, 9 de setembro de 2012


Você

Por Marcio Gil de Almeida 

Um cidadão, chamado Você, estava em seu dia normal, matando o seu leão do dia. No entanto, aquele dia era especial , porque nele receberia uma sabedoria que iria atingir a vida de todos. Ele não sabia, mas Você não esqueceria jamais! Então, Você resolveu visitar a mãe e o pai, num bairro chamado Muito Bonito. Ao sentar-se, percebeu um cheiro desagradável. Ele perguntou:Que cheiro é esse mãe? A mãe respondeu: Filho isto é o esgoto que escorre nas ruas do nosso bairro Muito Bonito. Você, ficou indignado e perguntou o porquê desta situação. Logo a sabedoria apareceu e respondeu: Falta POLÍTICA DE SANEAMENTO BÁSICO. Você resolveu atrevessar o bairro para ver o tio e logo observou muitas crianças em horário escolar brincando nas ruas. Ele queria saber o porquê, e , o seu pai irado com a situação, falou-lhe o seguinte: Não há escolas! Então, o impacto foi grande e Você ficou aterrorizado por falta de escolas. Aí a sabedoria entrou em cena e disse a Você: Falta POLÍTICA DE EDUCAÇÃO. Você, chegou na casa do tio e recebeu a notícia que o seu tio estava internado no hospital. Ele ficou abalado e muito preocupado. Ele correu para o hospital , no mesmo bairro Muito Bonito, e, logo descobriu que o hospital colocou o tio dele no corredor, não havia remédios e nem médicos. Ele queria entender  porque ele pagava tanto imposto e o seu tio preferido estava quase morrendo por descaso. A sobedoria respondeu a Você: Falta POLÍTICA DE SAÚDE. Você, virou o rosto ao lado, na frente do hospital e viu muito jovens e adultos desenpregados e desesperados. E antes que ele indagasse, a sabedoriarespondeu: Falta POLÍTICA ECONÔMICA E POLÍTICA DE GERAÇÃO DE EMPREGO. Você concluiu que tudo é politica, desde o calçado, a roupa, a moradia, a saúde, o emprego, a educação, etc. Não há como fugir. Você conversou com a sabedoria e descobriu que para ele mudar a situação tinha que está bem informado, participar das decisões eletivas, cobrar e acompanhar o desenpenho dos seus representantes. Você decidiu que o futuro de todos sempre passa nas mãos de quem vota e não podemos desistir de um mundo melhor. Todos aqueles que foram eleitos que são ladrões ou incompetentes, lançaremos fora nesta eleição. Todos que de maneira direta ou indiretamente estão ligados com corruptos, devemos rejeitá-los. Não votaremos neles em hipóse alguma. Podemos escolher um futuro melhor. Votemos no melhor. Devemos perguntar num final de governo: Minha vida melhorou? Outros candidatos são melhores do que o atual? Lenvantemos sempre questionamentos que esclareçam quem são os candidatos e quais são as suas propostas. Também, devemos saber ouvir de mente aberta os candidatos conhecidos e não tanto conhecidos. Todos devem ter a mesma chance de ser ouvidos. Lembre-se, o que imoporta para nós é o interesse do povo e não daqueles que têm ou não têm poder. Você aprendeu a lição: Só podemos melhorar se Você, se Eu e se Todos nós estivermos unidos e organizados em favor do Brasil. Você sabe, Você acredita e Você decide.



Tipos de Eleitores

Por Pr. Marcio Gil de Almeida


http://1.bp.blogspot.com/-FACHDsJzm_g/T_kCAQC3ANI/AAAAAAAAAbQ/9Y0uSM-BfCY/s1600/Como-tirar-titulo-de-eleitor-pela-Internet-Gratis-criarfazer.jpgEm conversa com vários conhecidos e vendo os seus posicionamentos, me vi surpreso com a visão de cada um. Uns me alegraram e outros me deixaram muito triste. A questão não é se está contra ou a favor do meu candidato, mas quais são os motivos que os levam a escolher o seu candidato a prefeito e a vereador.  Hoje, uma pessoa me falou que “é apenas uma questão de opinião”. Ao meu ver não é apenas “uma questão de opinião”, é a nossa responsabilidade em decidir o destino das condições de vida de todos. O meu voto, o teu voto, o seu voto e o nosso voto podem prejudicar a vida de muitos ou da mesma forma, melhorar a vida muitos. Nesta classificação a seguir, que é difícil de separar na prática cada um, mas que temos de levar em conta. Vejamos:

1- Por conveniência- Este eleitor recebe benefício do governo (municipal, estadual e federal). Pode ser um servidor público por contrato ou em cargo de confiança, via nomeação. Pode ter patrocínio em seus programas de radio e TV, jornal, revistas, sites, blogs etc. Pode ter parentes empregados e por isso vai votar no candidato da situação. Ou porque a sua empresa é contratada da prefeitura, não sabe se vai continuar com a nova administração e desta forma votar para ver se vai garantir o seu contrato.

2- Corrupto – Este Eleitor ganha com a corrupção da administração pública. É corrupto passivo ou ativo. Por isso participa da administração de forma direta ou indireta. Sabe das tramoias e não está nem aí. Quer é mais... e que venha mais benefício pra si.

3- Nilista - Alguns dias passado perguntei a um conhecido sobre a sua posição politica e ele me disse o seguinte: Estou com todo mundo. Vem os militantes do PMDB e digo que estou com eles, vem os militantes do PT e digo que estou com eles e vem os militantes do PR e digo que estou com ele. Ao questioná-lo ele me disse que qualquer um que entrar na prefeitura vai roubar. Então, tanto faz se está roubando, pois o próximo também irá roubar. Todos são corruptos e não faz diferença. Em outras palavras, não há sentido na politica. Esta é a visão nilista. Esta palavra vem de nihil e significa "nada" em latim. O niilista, portanto, é quem não acredita em NADA! Para ele tudo na vida é desprovido de sentido. Esta visão desemboca no ceticismo e no anarquismo. Ao meu ver promove a desesperança e não constrói coisa alguma.

4- Pseudo-apolítico – Apolítico é o cidadão que se diz que que não possui ideias políticas ou as não manifesta. Na minha visão não existe apolítico. Existem pessoas que afirmam ser, mas na realidade eles não querem assumir a sua responsabilidade de cidadãos e resolvem fugir da vida. Ou pode ser até um alienado, todavia a sua posição não é de apolítico. O eleitor alienado é aquele que transfere o seu direito para o domínio do outro. Quer dizer que é uma pessoa que abre mão do seu direito de decisão para que outros o faça. É por isso que existem aqueles que definem alienados como doido.
5- Partidário – Este eleitor é aquele que vive da posição e interesse do partido. Não importa a verdade ou a mentira, o justo ou injusto. O importante é o que o partido interessa. Segue a cartilha do partido.

6- Idealista - Este eleitor que defende as suas ideias. Não quer dizer propriamente dele, todavia defende valores, princípios e uma visão de mundo. Tudo está debaixo disto e é julgado por este idealismo. Vou dar um exemplo de quem segue um idealismo. O cristão, em sua vida segue o idealismo bíblico/cristão, este não vai comungar com ideias de aprovação do aborto, de desconstruir a família e da aprovação da profissionalização da prostituição. Com certeza não vai votar em partido que defende algo que vai contra a sua própria fé. Todos tem uma ideologia, seja para o bem ou para o mal, seja sistematizada ou tenha uma ideologia não estruturada, mas todos a possuem. O verdadeiro idealista sobe o que defende e não abre mão por benefício algum. Em outras palavra não vende a sua consciência.

7- Perdido – Este é o eleitor que vai atras de candidatos a vereador ou a prefeito e fica pedindo para pagar a sua conta de luz, água e se brincar, pede para pagar até a pensão das crianças. Se corrompe e corrompe o candidato por pouca coisa. Chegam até a vender o voto. Não tenho dúvidas, está perdido na sua consciência.
8- Consciente – Sabe o valor do seu voto. Procura se informar e usa a informação para construir e promover uma atitude de libertação e construção. Pode ser de um partido ou não, ter uma ideologia sistematizada ou possuir uma ideologia não estruturada. Ele opta pelo que é certo e justo. Não vai votar em alguém só pra agradar ou porque poderá receber algum benefício. Não entra em extremos e não abre mão dos seus valores.

PARA ENCERRAR, DESAFIO A TODOS PARA QUE OLHE BEM LÁ NO FUNDO DA SUA COSCIÊNCIA E DIGA PRA VOCÊ MESMO QUAL DESTES ELEITORES VOCÊ É.

Quatro tipos de eleitores


Os eleitores locais podem ser divididos em pelo menos 4 categorias distintas: os com interesses pessoais, os fanáticos, os críticos e os indiferentes. Os diretamente beneficiados em seus interesses pessoais são os que ambicionam um cargo de confiança, os que pretendem alugar imóveis para a prefeitura, os que querem ter a oportunidade de fornecer produtos e serviços (quando estes não exigem licitação), ou aqueles que pleiteiam melhores salários para a sua categoria profissional. Esses eleitores não pensam no coletivo, querem apenas o atendimento a seus interesses individuais. Há também os fanáticos para os quais o grupo político é mais importante que o candidato. Esses eleitores votam incondicionalmente e cegamente. São massa de manobra, votos de cabresto. Não fazem qualquer avaliação, param no tempo, morrem defendendo uma causa que nem eles mesmos conhecem. Assemelham-se a torcedores fanáticos de time de futebol, mas com uma diferença: não criticam nem xingam quando seu time vai mal. O oposto destes últimos eleitores são aqueles que pensam numa cidade melhor para todos, gostam do lugar onde moram e não querem abandoná-lo. Querem alguém com mais capacidade para administrar a cidade e não estão presos ideologicamente a nenhum grupo político. Essas pessoas apresentam uma visão mais amadurecida, mais lúcida do seu papel de cidadãos. São pessoas com boa razão crítica, não são facilmente influenciadas, não é fácil manipulá-las, não se dão ao trabalho e à humilhação de se abaixarem ao comando de animadores de passeatas políticas. Por fim, há os indiferentes, ou porque colocaram grandes expectativas em grupos políticos e se decepcionaram sistematicamente, ou porque não acreditam mais na capacidade da política para promover mudanças que melhorem sua qualidade de vida. Anulam seu voto ou votam em branco como forma de protesto.
Imagem disponível em: http://brasil.indymedia.org/images/2004/09/290888.jpg

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

É ISSO..


"A maturidade me permite olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranquilidade, querer com mais doçura."
 Lya Luft

BREVE ESTAREMOS COM ATUALIZAÇÕES CONSTANTES. AGUARDEM!

domingo, 19 de agosto de 2012

As ideias não correspondem mais aos fatos


O tempo atual é Renascença ou Idade Média? Os acontecimentos estão inexplicáveis, pois a barbárie das coisas invadiu o mundo dos homens. Temos um acesso a informação infinita, mas nada se fecha em conclusões coerentes, nada acaba, nada se define.
O socialismo não deu certo, o capitalismo global não trouxe paz nem progresso, tudo que depende da vontade dos homens e de seus sonhos de controle, não chega a um final feliz. As coisas têm vida própria e seus criadores não controlam mais os produtos. O mundo é cada vez mais uma tumultuosa marcha de fatos sem causa, de acontecimentos sem origem. Cada vez temos mais ciência e menos entendimento. As teorias não deram certo e percebemos hoje que Kafka e escritores do início do século 20, como Mann, Musil, depois Beckett e Camus sacaram o lance. Esperando Godot é mais profundo e profético que 100 anos de ilusões políticas.
Hoje, viramos objetos de um "sujeito" imenso, sem nome, sem olho, misterioso, que talvez só entendamos depois do tempo esgotado, quando for tarde demais. Essa é a sensação dominante.
Por que estou com essas angústias filosóficas hoje? Bem... porque no Brasil também estamos diante do dilema: Renascença ou Idade Média, progresso ou regresso?
A rapidez do mundo atual, para o bem e mal, nos deixa para trás. Vivemos uma modernidade veloz e falamos discursos antigos. As ideias não correspondem mais aos fatos, como cantou Cazuza.
Hoje as palavras que eram muros de arrimo foram esvaziadas de sentido. Uma palavra que era pau para toda obra: "futuro". Que quer dizer? Antes, 'futuro' era um lugar onde chegaríamos um dia, que nos redimiria de nossos sofrimentos no presente. Agora o termo 'futuro' tem uma conotação incessante, como se já estivéssemos nele. Estamos com saudades do presente, que nos escapa como um passado. O presente se esvai e o futuro não para de 'não' chegar.
Outra palavra: "Felicidade." Ser feliz hoje é excluir o mundo em torno. Ser feliz é uma vivência pelo avesso, pelo "não". Ser feliz é não ver, não pensar, é não se deixar impressionar pelas desgraças do País ou dos outros.
Outra: "Miséria." A miséria sempre nos foi útil. Diante dela tínhamos a vantagem, a riqueza da "compaixão". Era doce sentir pena dos infelizes. Hoje, diante das soluções impossíveis, temos uma espécie de raiva, de irritação nobre, bem 'ancien regime' contra os desgraçados. Ficamos humilhados diante da impotência de soluções. O pobre virou um 'estraga-prazeres'. E os nomes?
Que nome daremos ao desejo de extermínio que brota nos cérebros reacionários? Exterminar bandidos - e excluídos também?
E que nome daremos à paralisia da política brasileira, ao imobilismo das reformas, o absurdo desinteresse pelos dramas do País? Que nome daremos ao ânimo do atraso, à alma de nossa estupidez? Que medula, que linfa ancestral energiza os donos do poder do atraso, que visgo brasileiro é esse que gruda no chão os empatadores do progresso e da modernização? Vivemos sob uma pasta feita de egoísmo, preguiça, escravismo colonial. Que nome dar a essa gosma que somos?
Que nome dar às taras de nossos intelectuais incompetentes? São dois tipos básicos que surgem: o gênio inútil e o neocretino. O gênio inútil sabe tudo e não faz nada. O neoidiota tem certezas sem saber nada.
E que nome daremos a esse bucho informe que a miséria está criando nas periferias?
Como chamar esta nova língua, este novo "bem" dentro do "mal"? Não é mais "proletariado" ou "excluídos" apenas. Surge uma razão dentro da loucura. Parece um país paralelo esfarrapado, com cultura própria, com uma ética produzida pela fome e ignorância.
E na política? Quem somos, o que somos? Neoliberais, velhos radicais, neoconservadores, progressistas reacionários, direita de esquerda ou, hoje no poder, 'esquerdismo de direita'?
E a palavra chave de hoje: 'democracia.' Que é isso? Que quer dizer? No Brasil, democracia é lida como tolerância, esculacho, zona geral. Democracia, que é o único sistema 'revolucionário' a que devemos aspirar, é a melhor maneira de espatifar o entulho arcaico, corrupto, patrimonialista que o Estado abriga. A única revolução que se faria no Brasil seria o enxugamento de um Estado que come a nação, com gastos crescentes, inchado de privilégios e clientelismo, um Estado que só tem para investir 1,5 do PIB. A única revolução seria administrativa, apontada na educação em massa, nas reformas institucionais, já que, graças a Deus, a macroeconomia foi herdada do FHC e o Lula teve a esperteza de mantê-la, graças ao Palocci, que salvou o País.
Só um choque de livre empreendimento pode mudar o Brasil. Mas esta evidencia é vista com pavor. Como aceitar o óbvio, que o Estado, nas últimas décadas, congestionado, moribundo, só tem impedido o crescimento? Isso vai contra os velhos dogmas dos intelectuais... A maioria dos críticos sociais e culturais prefere morrer a rever posições. O recente caso do Paraguai é vergonhoso. Protestam pelo 'golpe', como se o Lugo fosse um grande líder, quando todo mundo sabe que era uma espécie de Berlusconi tropical; ignoram o fato de que a Constituição deles previa um 'impeachment' como esse e abrem caminho para que o fascista Chávez comece a provocar o Mercosul junto com a espantosa Cristina Botox que está destruindo a Argentina. Como perguntou alguém outro dia: 'Quando nossos intelectuais de esquerda vão denunciar pelo menos a Coreia do Norte?'
A verdade é que para eles a democracia parece lenta e ineficaz. Como disse o Bobbio: O ódio à democracia une a esquerda e direita. Querem um autoritarismo rápido, que mude "tudo isso que está aí". Esse episódio do Paraguai, que a presidente Dilma visivelmente teve de aderir de má vontade, por imposição dos 'cucarachas' fascistas, aponta para uma restauração da velha febre anti-imperialista que justifica e absolve a incompetência da América Latina. E tudo isso apoiado por picaretas neomarxistas como o showman Slavoj Zizek e alguns babacas daqui.

A América Latina está com fome de autoritarismo, que é bem mais legível para os paranoicos.
Arnaldo Jabor